Baby, eu sou seu

Baby, Eu Sou Seu. Baby, eu sou seu (baby, eu sou seu) E eu serei seu até que as estrelas caiam do céu Seu (seu) até que os rios sequem Em outras palavras, até eu morrer Baby, eu sou seu (baby, eu sou seu) E eu serei seu até que o Sol não brilhe mais Seu (seu) até que as rimas dos poetas se esgotem Em outras palavras, até o fim dos tempos Eu vou ficar aqui ao seu lado Fazer o meu melhor ... Assista suas séries legendadas e dubladas sem nenhuma dor de cabeça ou espera, somos conhecidos pela rapidez e por sempre levar um conteúdo de qualidade em HD. Eu sou o baby, tem que me amar O mundo seria bem melhor Se existisse por aí um monte igual a mim (É isso aí) Eu gosto de bater na cabeça do papai E não adianta nada mamãe mandar parar Se todo mundo pensa que eu sou muito chato Não esqueçam: Eu sou o baby, eu sou um barato I wasn't sure if I should add this since this is actually a cover of Barbara Lewis's Baby I'm Yours. If anyone wants me to remove it, please leave a comment . Portuguese translation Portuguese. Querida, eu sou seu. ... Querida, eu sou seu (até que as estrelas caiam do céu) Querida, eu sou seu (até que os rios sequem) Desabotuei sua calça e baixei seu zíper, levantei ele, baixei sua calça e sua boxer preta. Ela já estava manchada de pré gozo e depois fiz ele sentar de novo, seu membro era grande, dava para eu colocar as minhas duas mãos e ainda sobrava a glande. Peguei seu membro e jimin arfou, comecei a masturba-lo e ele gemia a palavra 'Baby' sem parar. Eu sou teu Lyrics: (Intro: Praga) / Hey baby, sei que tens ouvido muitas sh*ts about me / E umas te fazem chorar, mas, quero que saibas... / (Verso 1: Praga) / Que eu sei que falam por aí que eu Este sou eu! Eu tenho dois olhos, um nariz e uma boca. Eu tenho dois braços, duas pernas e uma barriga. Todo dia eu coloco e tiro minhas roupas, e também brinco com meus amigos. Um livro cheio de ilustrações bem coloridas de coisas importantes para o senso de identidade de uma criança, com foco na vida diária dos pequenos. Com a Baby Look Nem vem que eu sou bem louca Preta, não importa onde você esteja: no trabalho, no seu barzinho predileto ou na viagem dos seus sonhos, você sempre leva a zoeira para outro patamar.Mande o seu recado para a galera através das nossas estampas criativas e desfile com muito estilo e ousadia por aí! Malha premium de algodão Baby eu sou sincero Sou sincero Você não pode me enganar Depois eu falei a verdade Pior seria te estranhar o tempo todo Não vejo vantagem não Você precisa entender meu jeito de te querer Pode até não ser assim do jeito que você imaginou Mas eu te quero, eu te venero Eu te adoro, eu só não vou te enganar Porque eu sou sincero Baby eu ... Jeon jungkook, é um garoto de 19 anos que faz faculdade de dança e música. Ele é apaixonado por um de seus colegas, Park jimin. Então para chamar a atenção do seu daddy, ele resolve mandar mensagens para o mesmo, mensagens um tanto quanto provocantes. A sinopse tá uma bosta, mas a história tá boa, eu prometo!

Minha primeira teoria no Reddit FNaF :

2020.08.30 05:21 foxyarghh Minha primeira teoria no Reddit FNaF :

No livro into the Pit o Oswald o Principal (achoq vc já viu o resumo) ele entra na piscina de bolinha e vai para o passado e num certo tempo aparece o springbonnie e suga o pai do Oswald para a piscina mas na visão das outras pessoas o coelho não é coelho é o pai do Oswald Transferência de mente No fnaf VR aparece um novo vilão coelho q nós da comu fnaf apelidamos de : "GlitchTrap" ele tem a capacidade de fazer transferência mental ele pode entrar na sua mente com o seu corpo fingindo ser vc O William Afton fez os Animatronic com a capacidade de transferência de alma : uma capacidade de a alma do Freddy ir para o toy Bonnie e assim vai Por isso o caos de ucn possívelmente No ucn se vc ganhar o minigame do jacarezinho na primeira noite só com ele nem mais nenhum Animatronic E nisso mostra o fundo de FNaF World Voce vai para uma tela preta com um Freddy branco E se vc prestar atenção tem uma música hiper distorcida no fundo, o pessoal do Reddit acelerou esse áudio DMS DMS DMS DMS E o jacare, quando você vai conversar com ele, ele fala a seguinte frase : "Deixe O demônio com seus demônios" E ficou a seguintes palavra : HENRY, Me AJUDE AJUDEE HENRY SEU DESGRAÇADO (áudio) (Ele falou mais um nome mas eu esqueci me perdoe) :(( Ele e o Henry que fundou a Fazbear Pizzaria dinner O único que tinha intimidade com Henry era o Willian Afton Uma que ele criava Animatronic para a diversão de crianças e raptalas? Depois que a dinner fechou o Afton criou Outra empresa o vício dele não parou O circus baby pizza world foi criado para atrair criança Raptalas No livro : fnaf files mostra uma coisa PECULIAR Mostra uma criança dentro do funtime freddy Tem um áudio de uma menininha falando : Papai pq eu não posso ver a baby? Daí uma certa noite ela chega e fala : "cadê as demais crianças?" Para a baby -"Ela é tão linda e tão brilhante" No mini game do sorvete a baby come a criança A filha de Afton Ela era a Elisabeth Por isso ele não deixava ela chegar perto Pq ele sabia q se ela chegasse perto O Afton trancou o garoto chorão para não o perder tbm Em fnaf 4 o menino esta delirando com medo dos Animatronic pelo trauma Isso pode ser comprovado pela a frase do Golden Nightmare -"eu sou super real, eu sou do seu delírio" Em um outro minigame o menino chorão ele fala -"eu sinto saudades de vocês, vocês ainda estão aqui comigo" e as máscaras dos Animatronic freddy, Chica, Bonnie, foxy vão sumindo ao passar das letras. O plush que o pai dele fez olha para ele (o garoto) chorando e o mini game acaba Tudo me leva a crer que ele morreu pelo simples fato de : fnaf 4 ele está em coma tendo um delírio
submitted by foxyarghh to FnafbR [link] [comments]


2020.06.15 09:22 amandasawan Eu amo Larry

suposições Larry stylinson
primeiramente o site do Harry de colocar os nomes, eu botei Larry e veio: "you're the end of june, tpwk"
Fine Line e Walls, feitos um pro outro? os dois álbuns, dos cantores Harry styles e Louis Tomlinson saíram perto um do outro, E agora eu vou dar algumas evidências q fine line é sobre Louis e walls sobre Harry.
em Golden, Harry fala o seguinte: "I'm hopeless, golden so wait for me in the sky" "golden, golden, he is broken I know you're scared cause I'm so open" o que eu vejo como o Louis tendo medo de se abrir sobre sua sexualidade e tendo que viver oprimido por fingir ser hetero, E que o único lugar que ele não vai precisar fingir é o paraíso, onde eles vão ficar juntos.
em Watermelon Sugar Harry fala: "Tastes like strawberry" e Louis usava pasta dental de morango, mas continuando, "baby, you're the end of june" como eu falei la em cima, dia 28, dia dos gays, Larry, blábláblá, não vou pisar nesse tópico de novo
vamos pra Adore You: "walk in your rainbow paradise" de novo, sexualidade, eu acho "strawberry lipstick state of mind" Louis e sua pasta de morango "you don't have to say you love me you don't have to say nothing lately you've been on my mind" a reunião de 1D tá chegando, além de esse ser o pride month e todos eles estarem em londres já faz um tempo. sinto uma aproximação
partiremos então para Lights Up: "I could but wouldn't stay" o Simon ameaçava acabar com A banda se visse eles dois juntos, então acho que é isso " it'd be so sweet if things just stayed the same" eles se abraçavam e mostravam o afeto que tinham um pelo outro livremente, acho que é isso. Louis chorou quando anunciaram haylor (q eu acho q foi marketing pq Harry e Taylor não tem nada a ver) e Harry chorou quando Louis falou que ia ser pai. "lights up and they'll know who you are" acho q é falando pro nosso tommo sair do armário. "Shine, I'm not ever coming back" eles sexualizavam mto o Harry pq ele era o menino que todas as meninas tinham crush na 1D, E ele agora pode ser quem é, outra gravadora que não controla ele desse jeito.
e vamos pra Cherry: "don't you call him baby" sla, me deu uma vibe de algum ciúmes batendo, falando pra não chamar ele de amor. "we're not talking lately" ele perdeu bastante contato com todo mundo, acho q o Harry virou meio hippie, quase não usa i celular e tal. "I noticed that there's a piece of you in how I dress" o Harry tá sempre de roupas coloridas e extravagantes, além de derrotaram os padrões de masculinidade da sociedade. Acho q o Louis queria poder ser assim publicamente. "I just miss your accent and your friends" o niall extravagante que provavelmente fez toda a 1D acontecer de vdd tem um sotaque, além de os amigos deles serem os meninos da banda, o que inclui nosso lindo Loulou.
agora vamos pra Falling,uma das minhas preferidas: "I'm I'm my bed, and you're not here" eles dividiam um apartamento, não duvido nada q eles acabavam cuddling juntos. "I'm falling again" eu acho q ele e Tommo voltaram a se falar e ele se apaixonou de novo, É isso. "you said you cared and you missed me too" vamos ver isso no walls, álbum do Louis, ele fala isso bem na cara. Eu amo meu Larry. "and I'm well aware I write too many songs about you" todo mundo vê q eles escrevem músicas um pro outro o tempo inteirinho "and the coffee's out at beachwood cafe" beachwood cafe é um café na cidade natal de Louis, além de ele ter uma tatuagem que parece ser igual o papel de parede do lugar. "and I get the feeling that you'll never need me again" ele vê o homem da vida dele casar e ter filho, obviamente ia ficar despedaçado. Quem não ia se achar não necessário numa situação dessas? a próxima é To Be So Lonely: "dont blame me for falling, I was just a little boy" o Harry conheceu os meninos sendo o mais novo, com 16 aninhos, um bebê. Acho q é isso. "I know that you tryna be friends" acho que mais que isso, Harry. "cause I miss the shape of your lips" todo mundo sabe que os lábios do nosso bebê Louis Tomlinson são icônicos, não da pra negar. ele sente saudade dos beijos Larry.
She: "just sailing away, without telling his mates" quem vai me falar que isso não é sobre o Zayn? Ah, além disso, eu acho q a música é sobre a Eleanor, pelo visto ex do Louis já que nada foi confirmado, pq ele fala duma tal assistente pegando café pra ele na hora 1:32. antes deles se oficializarem, Eleanor era confundida como assistente de Louis por estar sempre pegando café pra ele, E 1:32 é a linha do princess Park, o lugar que Harry e Louis moravam juntos.
a próxima é Sunflower Vol. 6: "I've been trying hard not to talk to you" Louis indo atrás do Harry, interessante. "I couldn't want you anymore, kiss in the kitchen like it's a dance floor" tem vários vídeos deles na cozinha do princess Park, eles amavam aquele lugar, E Harry expressa seu desejo por Louis de volta.
Canyon Moon: "I'll be gone too long from you" 5 anos sem alguma interação de verdade, né amores? "all through Paris, all thorough Rome" numa entrevista o entrevistador perguntou: qual seria o lugar mais romântico pra um encontro? Harry respondeu Roma e Louis respondeu Paris. "I heard Jenny saying" Louis em algum vídeo brincou sobre se chamar Jennifer. "doors yellow broken blue" no beachwood cafe perto da casa do Louis a porta éazul e amarela.
Fine Line: "we'll be fine line, we'll be alright" eu tenho certeza q ele tá falando q a relação deles e do Louis algum dia vai melhorar ao ponto de todo mundo poder saber. essa foi a única coisa q achei nessa música, mas vamos pra próxima.
Treat People With Kindness: não tem nada não, É só uma vibe mesmo
ÁLBUM DO LOUIS, WALLS
Kill my Mind: "you kill my mind, raise my body back to life" então o Harry faz ele se sentir vivo, Hmmm senhor Tomlinson. "on a mission to feel like when you kissed me for the last time, why?" querendo replay de beijo Larry, todos queremos, vai em frente.
Don't let it Break your Heart: "on our way to 27" O HARRY Q VAI FAZER 27 AAAAA. "I now you left a part of you on new York, in that box under the bed " Como todo mundo sabe o Harry voltou chorando de NY "when you love someone and they let you go" indireta pq o simon não deixava o Harry perto do Louis, coitados, o nosso Hazza teve q deixar o Boo Bear ir. "whatever tear you apart" nem precisa explicar essa.
Two of Us: "it's been a minute since I called you, just to hear the answerphone " ELE LIGOU PRO HARRY MESMO SABENDO Q ELE NAO IA PODER ANYENDER, Q FOFO. "the day they took you, I wish they took me instead" levaram o Harry pra algum lugar, provavelmente NY pq ele sempre voltava chorando. que ótimo. essa música é mais sobre a mãe e irmã dele então não vou forçar a barra
We made It, uma q me faz chorar: "met you at the doorstep" oops e hi, É isso. "share a single bed and tell each other what we dreamed about" EU SEI Q ELE E O HARRY DORMIAM JUNTOS NO PRINCESS PARK. "we were only kids tryna work it out" 16 e 19 as idades dos meus nenéns em 2010. assim, não tem mta coisa nessa música pq é sobre subir na carreira, mas essas duas dão na cara
Too Young: "I've been looking back a lot lately" ele quer o Harry de volta, eu vejo isso, eles tinham ciúmes um do outro e tal. "everything's feeling different now" ele não quer mais ficar com a Eleanor e não tá certo sobre isso, ele só quer o nosso perfeito Hazza de volta. "oh I can't believe i gave in to the pressure" ele confirmando q o simon fez eles se afastarem. "when they said a love like this would never last" ele só confirma q eles tão apaixonados e precisam um do outro, eu só quero meu Larry de volta. "I'm sorry that I hurt you darling" só piora, essa música foi frita pro Harry sem um pingo de dúvida. Eu sinto q eles tão de quarentena juntos. não vou falar exatamente mas tem uma hora q ele fala que eles tão sentados na cozinha tendo a conversa que ele queria ter tido antes. Eles definitivamente estão no mesmo lugar agora.
Walls: "I watched them fall down for you" isso é romântico ora cassete, eu ano o Louis e o jeitinho dele de se expressar, isso tem q ser pro Harry, já que fala sobre como a outra pessoa mudou 1o. "nothing makes you hurt like hurting who you love" assim q vc ea Eleanor começaram a namorar eu senti meu Larry meio distante, com o filho então, o Harry até chorou, eu entendo esse verso sobre ele nunca querer fazer isso pra machucar nosso babycake. é isso
Habit , uma das minhas favoritas: "i know that you Said that you'd give me another chance, but you and I knew the truth of it I'm advance" acho q ele fala q passou muito tempo e que talvez o Harry não queira mais nada com ele, o que eu duvido. "I'm missing you and your addictive heart" todo mundo conhece o Harry pelo coração imenso dele, então nem tenta disfarçar sweetcheeks. "you're the habit that I cant break, you re the feeling that I cant put down" vc, Louis Tomlinson é completamente apaixonado no Harry, a gente já entendeu. "you're the high I kneed right now" watermelon sugar high, bebês. depois ele fala q tava fingindo ser alguém q não era por causa da mídia e blábláblá, já tem vídeo dele gritando q é gay então fodase, essa parte a gente ama E EU ESPERO Q HAZZA ESTEJA OUVINDO ESSAS MUSICAS. "and it's been ages, different stages, come so far from princess park" o Louis e o Harry moravam juntos no princess Park. "I'll always need ya" ok, eu sou mto cadelinha desse casal.
ok, eu cansei pq tô há mais de 3 horas escrevendo isso, por enquanto é só.
submitted by amandasawan to u/amandasawan [link] [comments]


2020.06.08 03:56 ravenavulgowanessa eu fui o babaca por contar a traição da minha mãe?

oi lubixco, oi editores lindos, oi gatas lindas, oi possível convidado e oi turma que está a ver! hoje eu vim contar do dia que descobri e fui culpada (pela minha mae) pela traição da mesma e saber se vcs acham que eu sou ou não a babaca pela forma que eu agi com tudo.
aquele em que eu fui culpada por uma traição (friends=tudo pra mim)
tudo começou no ano passado quando eu viajei pra mg com os meus pais, eu percebi que minha mãe tava mexendo demais no celular, mexendo escondida e (quando meu pai tava dirigindo) virando o celular pro outro lado pra falar com alguém. eu já fiquei bem desconfiada aí mas resolvi não falar nada pq afinal, poderia ser coisa da minha cabeça, paranóia e se eu contasse pro meu pai e não fosse vdd eu ia sair como errada. isso tudo rolou em setembro e desde julho de 2019 (que eles tinham quase se separado) meu pai andava muito emotivo e muito mal por causa da minha mãe, pq ela ficava tratando ele mal, vivia falando que não amava ele, que não aguentava mais sofrer com ele e os caralho a4, em janeiro de 2020 (isso ainda tava rolando) eu e meu pai fomos numa pizzaria com os meus primos (sobrinhos da minha mae) e meu pai começou a desabafar e a chorar, e eu e minha prima fomos pro banheiro pra ela dar mamar pra baby dela e meu pai ficou com meu primo na mesa. no banheiro a gente continuou falando sobre o assunto e eu acabei contando tudo pra minha prima (eu não contei pra ninguém durante esse tempo, uns 3/4 meses) e ela disse que eu tinha que falar com a minha mãe pra ver se ela contava a vdd, se arrependia ou coisa do tipo e eu resolvi seguir o conselho dela. uns 2 dias se passaram e eu tomei coragem pra falar com ela, fui e disse que desconfiava de tal e tal coisa, joguei algumas coisas na cara dela e ela simplesmente surtou, começou a brigar cmg a gritar etc. eu sou uma pessoa que odeia injustiça e eu sabia que eu não tava errada de ir falar com ela então não tinha motivo pra ela estar gritando cmg, e a gente começou a brigar feio e meu pai acabou escutou (ele tava lavando carro na rua). eu comecei a chorar muito e me tranquei no banheiro, meu pai veio perguntar o que aconteceu e ela só disse "ela só tá estressadinha, liga não". logo em seguida chegou uma cliente da minha mãe chegou la em casa e ela foi atender ela, meu pai veio me perguntar o que aconteceu e eu contei tudo pra ele, ele disse que já desconfiava que ela traía ele e eu desconfiar tbm só confirmava tudo. a gente meio que bolou um plano pra descobrir tudo, meu pai chegou nela e disse "carls, coloca a senha do seu celular aí (ninguém tinha a senha do celular dela), que eu vou ligar pro farls" ela só respondeu "não é assim que a banda toca não, eu não vou colocar" aí meu pai pegou o celular colocou no bolso e disse "até vc colocar a senha o celular vai ficar guardado cmg" e aí a pior parte começou, eles começaram a brigar feio, minha mãe bateu no meu pai e rasgou a camisa dele, até meu pai sair correndo pra rua e eu ir chamar meu tio que morava na minha rua (irmão mais velho da minha e a rua toda tinha parente dela) meus primos saíram pra segurar ela e acabou sobrando até pros meus primos que ela acabou machucando, quando meu primo finalmente conseguiu segurar ela, ela olhou pra mim e começou a gritar "É CULPA SUA, TUDO ISSO QUE TA ACONTECENDO É CULPA SUA", a culpa não minha por ter traído seu pai e acabado com um casamento de 20 anos a culpa é SUA que descobriu tudo e contou pra ele (Leia com a voz de nice guy). meu outro tio (que não é parente de ninguém, só chamo de tio pq é próximo) chegou e levou ela pra casa dele e eu e meu pai pegamos algumas coisas em casa e fomos pra casa de uma tia que não mora no bairro. como a gente nao tinha a senha a gente foi numa lugar que relativamente desbloqueava celular mas tava fechado. eu fiquei tentando a minha digital no celular dela algumas vezes, até que finalmente eu consegui desbloquear (eu tinha colocado minha digital quando ela comprou o celular, eu achei que quando trocava a senha a digital saia, mas felizmente não :) ), a gente entrou no zapzap dela e foi procurar alguma coisa pq só pelo jeito que ela reagiu a gente sabia que ela escondia algo. a gente descobriu que sim, ela traía meu pai e ainda era com um cara que além de casado se dizia amigo do meu pai e tinha alugado o salão que tinha na minha casa e trabalhava lá a uns 2 anos. depois que tudo isso aconteceu eu fiquei sem falar uns dois meses com ela e meus parentes diziam que era errado pq acima de tudo ela ainda era minha mãe etc. até que meu pai resolveu voltar com ela (eu fui completamente contra, mas minha opinião nessa família não conta) pq ele é completamente apaixonado por ela, e até hoje eu não falo muito com ela, não trato ela igual antes, não falo dela pros meus amigos, quando perguntam da minha família (ou falam "seus pais") eu me refiro só ao meu pai, não posto foto com ela nem nada do tipo, eu sou completamente contra traição, acho que é uma das piores coisas, e, desde que a gente voltou a morar junto ela não falou nada sobre isso cmg ou pediu desculpa nem nada, ela só finge que nada aconteceu. e eu acho que por eu ser bem nova eu até que passei pela situação com bastante maturidade. mas eai, o que vcs acham, eu sou a babaca por estar tratando ela assim?
enfim, me perdoem a história grande, mas é isso, obrigada pela atenção, bjs e te amo lubinha >2<4
submitted by ravenavulgowanessa to TurmaFeira [link] [comments]


2020.03.06 03:56 altovaliriano A glorificação da guerra e o sonho de Dunk

Em uma “segunda de SSM”, eu tratei sobre uma entrevista que o jornal britânico The Guardian fez com Martin. No final do artigo, o jornalista relata que perguntou a Martin qual era sua cena favorita nos livros e recebeu uma resposta inesperada:
Com isso em mente, ele tem uma cena favorita em que sentiu a escrita realmente acertou em cheio? Eu perguntei plenamente esperando que ele mencionaria um dos momentos mais famosos, como o Casamento Vermelho, por exemplo, ou a morte chocante de Ned Stark no primeiro livro.
Houve uma longa pausa antes que a resposta surpreendente chegasse. “Lembro que houve um discurso que um septão [a versão westerosi de um padre] faz a Brienne sobre homens quebrados e como eles se quebram. Eu sempre fiquei muito satisfeito em ter escrito aquilo”.
O discurso em questão é um pesado e longo monólogo do Septão Meribald dá em O Festim dos Corvos, no 5º capítulo de Brienne. Podrick pergunta se desertores e foras-da-lei de equivalem e Brienne responde laconicamente, mas Septão Meribald dá um resposta longa sobre como os desertores são o resultado da destruição que a guerra dos nobres causa na vida dos plebeus.
A quem conhece um pouco do pensamento de GRRM, a resposta ao jornalista apenas parece refletir sua posição pessoal anti-guerra que permeia toda sua obra, desde a primeira história que vendeu profissionalmente, “O Herói”. Em As Crônicas de Gelo e Fogo, o autor expõe o tempo todo as consequências catastróficas da guerra, tanto para o lado vitorioso quanto para o perdedor.
Inclusive, existe um longo e excelente texto escrito por um expert em armas nucleares que demonstra como Martin se inspirou nestes dispositivos de destruição em massa para criar os dragões de seu mundo e todo o jogo político ao redor de quem vai dominá-los. O fato de alguém conseguir puxar tantos paralelos entre armas nucleares e dragões dá uma pista do tom antiguerra de ASOIAF, além de mostrar o quanto ser baby-boomer influencia na visão de mundo de GRRM.
Como era natural de se esperar, os contos de Dunk e Egg não escapam a este tipo de abordagem. Porém, aqui Martin preferiu manifestar o tema de forma onírica.
Em um recente tópico aqui no valiria, eu tentei explorar as razões que fizeram com que GRRM nos contasse sobre a viagem de Dunk e Egg à Dorne, quando ele parece ter mudado de ideia sobre qual seria o enredo da história sucessora de O Cavaleiro Andante.
Dentre várias razões que apontei para a manutenção da jornada dornesa nos flashbacks de Dunk, eu especulei que a história da morte de Castanha serve como mote para o sonho de Dunk, pois essa história revela como inocentes podem morrer por decisões estúpidas de seus senhores. Mas eu gostaria de acrescentar que inocentes e votos de cavaleiro também morrem quando cavaleiros põem o cumprimento dos deveres para com seus senhores acima de proteger os fracos.
Este é o sentido do sonho de Dunk, emanado do sentimento anti-guerra de Martin, conforme analisarei a seguir.

Um cavaleiro antes de uma espada juramentada

De fato, desde o primeiro treinamento dos plebeus que obedeceram ao chamado de Sor Eustace para a guerra contra a Rohanne fica claro que eles não teriam qualquer chance contra os cavaleiros da viúva.
Quando Dunk afirma que a necessidade de mandar todos a morte por um disputa tão pequena é uma escolha que não cabe a eles, Egg responde com uma alegoria à lição de Sor Arlan, de não dar nomes a cavalos para evitar sofrer quando eles morrem:
– Isso não é você nem sou eu quem vai dizer – Dunk respondeu. – É dever de todos eles ir para a guerra quando Sor Eustace os convoca... e morrer, se necessário.
– Então não devíamos ter dado nomes para eles, sor. Isso só vai tornar a dor mais difícil para nós quando morrerem.
(A Espada Juramentada)
De fato, é incrível a quantidade de parágrafos que GRRM leva descrevendo o processo de “batismo” dos camponeses que tinham nomes iguais. A princípio, eu não entendi porque Martin achou que isso era importante, até que eu comecei a decodificar o sonho de Dunk.
Essencialmente, o que aconteceu com Castanha nas areias de Dorne é o mesmo que está acontecendo em Pousoveloz antes de Dunk começar a pensar em uma saída pacífica para o impasse entre Osgrey e Webber. O sonho é a forma como Dunk, um homem de lealdade inquestionável e raciocínio lento, começa a perceber as consequências da obediência cega que tem prestado a Sor Eustace.

O Prólogo de um sonho

Antes de passarmos à análise do sonho, um pequeno parágrafo precisa ser examinado. Quando Dunk se deita para dormir, ele lembra dos eventos do torneio de Vaufreixo, especialmente das tragédias que ocorreram naquele dia:
Supostamente, estrelas cadentes traziam boa sorte, então ele pediu para Tanselle pintar uma em seu escudo. Mas Vaufreixo trouxera tudo menos sorte para ele. Antes que o torneio acabasse, ele quase perdera uma mão e um pé, e três bons homens perderam a vida. Ganhei um escudeiro, no entanto. Egg estava comigo quando deixei Vaufreixo. E essa foi a única coisa boa de tudo o que aconteceu.
Esperava que nenhuma estrela caísse naquela noite.
(A Espada Juramentada)
Estes pensamentos antes do sonho provavelmente é o que desperta a memória de Dunk e faz com que Baelor e Valarr surjam em seu sonho. Contudo, Dunk cita que três pessoas morreram naquele dia, mas Valarr não era era uma delas.
Essa distinção é importante para entendermos como o subconsciente de Dunk parece estar funcionando durante o sonho. Como veremos a seguir.

Decodificando

Vamos analisar o sonho na íntegra.
Havia montanhas vermelhas a distância e areias brancas sob seus pés. Dunk estava cavando, enfiando uma pá no solo seco e quente e jogando a fina areia branca por sobre os ombros. Estava fazendo um buraco. Um túmulo, pensou, um túmulo para a esperança. Um trio de cavaleiros dorneses estava parado observando e zombando dele em voz baixa. Mais além, comerciantes esperavam com suas mulas, carroças e trenós de areia. Queriam ir embora, mas não partiriam até que ele enterrasse Castanha. Ele não deixaria seu velho amigo para as cobras, escorpiões e cães da areia.
Aqui Martin estabelece a cena, mas eu quero comentar especificamente as partes em negrito.
Aqueles que lembrarem do que realmente aconteceu no enterro de Castanha, devem desde já estranhar os comerciantes esperando Dunk enterrar o cavalo.
Eu não entendi a parte do túmulo à esperança quando li a primeira vez. Mas agora que sabemos que Castanha está sendo usada como alegoria às vítimas das guerras caprichosas dos nobres e à lealdade cega de seus cavaleiros, seu significado fica evidente.
Dunk está pessoalmente cavando um túmulo para os mais fracos, as pessoas que um cavaleiro jura proteger. As pessoas que viram valor nele quando ele enfrentou Aerion por Tanselle. E ao virar as costas para elas, Dunk se torna um cavaleiro hipócrita, como os demais.
Quanto aos três cavaleiros dorneses, a seguir veremos que eles não são os cavaleiros dorneses que estavam com Dunk, mas Sor Arlan, Baelor Quebralanças e Valarr. Martin preferiu apresenta-los aos poucos durante o sonho, por isso suas identidades não são reveladas nesse momento.
Por outro lado, quem lembrar dos detalhes do enterro de Castanha, saberá que não foi assim que os cavaleiros dorneses se portaram.
O castrado morrera de sede, na longa travessia entre o Passo do Príncipe e Vaith, com Egg em suas costas. Suas patas dianteiras pareciam ter se dobrado sob ele e o cavalo ajoelhou, rolou de lado e morreu. Sua carcaça estava ao lado do buraco. Já estava dura. Logo começaria a feder.
Esta realmente parece ter sido a forma como Castanha morreu. Mesmo que valha a pena debater se Martin não está criando um paralelo entre a sede que matou o cavalo e a seca que levaria a morte dos plebeus, me parece que essa parte só está aí para estabelecer o pano de fundo do acontecimento.
Dunk chorava enquanto cavava, para diversão dos cavaleiros dorneses.
Água é preciosa para se desperdiçar – um deles disse. – Não devia desperdiçá-la, sor.
O outro riu e disse:
– Por que está chorando? Era só um cavalo, e bem feio.
Castanha, Dunk pensou enquanto cavava, o nome dele era Castanha, e ele me levou nas costas por anos e nunca empacou ou mordeu. O velho castrado parecia uma coisa lamentável ao lado dos corcéis de areia lustrosos que os dorneses cavalgavam, com suas cabeças elegantes, pescoços longos e crinas se agitando, mas Castanha dera tudo o que podia dar.
É notável perceber que dois dos “cavaleiros” dão mais valor a água do que a Castanha, assim como Eustace (e Rohanne) do que a vida dos plebeus. Contudo, estes “cavaleiros” montam cavalos melhores do que um velho castrado, indicando que eles são de uma estirpe acima da pequena nobreza (como veremos a seguir).
– Chorando por um castrado de costas arqueadas? – Sor Arlan disse, em sua voz de velho. – Ora, rapaz, você nunca chorou por mim, que o colocou sobre as costas dele. – Deu uma risadinha, para mostrar que não queria causar mal com a censura. – Esse é Dunk, o pateta, cabeça-dura como uma muralha de castelo.
– Ele não derrubou lágrimas por mim tampouco – disse Baelor Quebra-Lança, do túmulo. – Embora eu fosse seu príncipe, a esperança de Westeros. Os deuses nunca pretenderam que eu morresse tão jovem.
– Meu pai tinha só trinta e nove anos – lembrou o Príncipe Valarr. – Tinha tudo para ser um grande rei, o maior desde Aegon, o Dragão. – Olhou para Dunk com frios olhos azuis. – Por que os deuses o levariam e deixariam você? – O Jovem Príncipe tinha o cabelo castanho-claro do pai, mas uma mecha loura-prateada o atravessava.
Vocês estão mortos, Dunk queria gritar, vocês três estão mortos, por que não me deixam em paz? Sor Arlan morrera de um resfriado, o Príncipe Baelor, de um golpe dado pelo irmão durante o julgamento de sete de Dunk, e seu filho Valarr, durante a Grande Praga daPrimavera. Não tenho culpa por esse. Estávamos em Dorne, nem mesmo ficamos sabendo.
Sor Arlan é o terceiro cavaleiro, mas o primeiro que vimos ser revelado. Depois, Baelor e, por fim, Valarr. Isso ocorre porque foi nesta ordem que eles morreram, e é a ordem inversa de suas idades.
Enquanto a fala de Valarr é uma repetição quase idêntica do último diálogo entre Dunk e o príncipe (até mesmo as descrições), as falas de Sor Arlan e Baelor se concentram no fato de que Dunk não havia chorado a morte deles, mas agora chorava a morte de um cavalo.
A razão para isso é porque Dunk não foi responsável pelas mortes de nenhum dos três, nem mesmo a de Baelor Quebralanças (ao menos não totalmente). Mas ele foi responsável pela morte de Castanha.
No caso de Valarr, o próprio Dunk não vê culpa sua.
Sor Arlan morreu de um resfriado e os pensamentos de Dunk foram de que “ele teve uma vida longa” e “Devia estar mais perto dos sessenta do que dos cinquenta anos, e quantos homens podem dizer isso? Pelo menos vivera para ver outra primavera” (O Cavaleiro Andante). Portanto, salvo por sentimentalismo, Dunk não havia porque achar que tinha culpa na morte do velho.
Já o Príncipe Baelor entrou no Julgamento dos Setes por conta própria, sem que Dunk sequer cogitasse convidá-lo e para a total surpresa dos Targaryen na equipe dos acusadores. Então, objetivamente não há culpa real de Dunk. Ele não tinha uma escolha real.
Entretanto, mesmo que Dunk sinta-se a culpado, ele sabe que só poderia ser responsável por uma parcela. De fato, como o próprio cavaleiro admite, ele divide o fardo com Maekar: “Você o acertou com a maça, senhor, mas foi por mim que o Príncipe Baelor morreu. Então eu o matei tanto quanto o senhor” (O Cavaleiro Andante).
Contudo, Castanha morreu exclusivamente porque Dunk estava caprichosamente correndo atrás de uma mulher em uma das regiões mais inóspitas dos Sete Reinos.
– Você é louco – o velho disse para ele. – Não vamos cavar nenhum buraco para você quando se matar com essa tolice. Nas areias profundas, um homem deve estocar sua água.
Vá embora, Sor Duncan – Valarr disse. – Vá embora.
A mensagem aqui é bem direta: sacrificar os plebeus em nome do dever como espada juramentada era teimosia inútil, uma “guerra estúpida” como alegara Egg, pois ninguém realmente ligaria se ele morresse ou vivesse.
Egg o ajudava a cavar. O garoto não tinha pá, só as mãos, e a areia voltava para o túmulo tão rápido quanto eles a tiravam. Era como tentar cavar um buraco no mar. Tenho que continuar cavando, Dunk disse a si mesmo, embora suas costas e ombros doessem com o esforço. Tenho que enterrá-lo profundo o bastante para que os cães de areia não o encontrem. Tenho que...
– ... morrer? – perguntou Grande Rob, o simplório, do fundo do túmulo. Deitado ali, tão quieto e frio, com uma ferida vermelha irregular escancarando sua barriga, ele não parecia tão grande.
Dunk parou e o encarou.
– Você não está morto. Você está dormindo no porão. – Olhou para Sor Arlan, em busca de ajuda. – Diga para ele, sor – pediu. – Diga para ele sair do túmulo.
A primeira menção a Egg no sonho é como ajudante de Dunk na missão inútil, o que reflete a última discussão que teve com o escudeiro, na qual conseguiu sua obediência na base da rispidez.
Porém, no meio da tarefa, há a primeira indicação clara de que o ocorrido com Castanha serve de alegoria à situação atual, na qual Dunk está colocando inocentes em perigo ao convoca-los, treiná-los e ficar em negação sobre suas chances.
Até mesmo Sor Bennis, o Marrom, está mais desperto para isto do que Dunk. É claro que o cavaleiro marrom não queria mais trabalho, porém suas atitudes estavam mais voltadas a evitar um banho de sangue do que as tomadas por Dunk.
Com efeito, o cavaleiro não só era contrário a levar a notícia da represa a Sor Eustace, como também não se enganava quanto às chances dos camponeses que estava treinando.
Dunk estava em tamanha negação, que mesmo ao ver Grande Rob mortalmente ferido no buraco em que estava cavando, virtualmente perguntando a Dunk “Tenho que morrer?”, o cavaleiro ainda pediu auxílio a Sor Arlan, seu carinhoso mentor, aquele que lhe ensinou sobre os deveres de uma espada juramentada, que atestasse que nada de errado estava ocorrendo.
Só que não era Sor Arlan de Centarbor que estava parado perto dele, mas Sor Bennis do Escudo Marrom. O cavaleiro marrom só gargalhou.
– Dunk, pateta – disse –, destripar é algo lento, certamente. Mas nunca conheci um homem que viveu com as entranhas penduradas. – Uma espuma vermelha borbulhou em seus lábios. Ele se virou e cuspiu, e as areias brancas beberam tudo.
Buco estava parado atrás dele com uma flecha no olho, chorando lentas lágrimas vermelhas. E lá estava Wat Molhado também, a cabeça cortada quase na metade, com o velho Lem e Pate olho-vermelho e todo o resto. Todos tinham mastigado folhamarga com Bennis, Dunk pensou de início, mas então percebeu que era sangue escorrendo por suas bocas. Mortos, pensou, todos mortos, e o cavaleiro marrom zurrava.
– Sim, melhor se manter ocupado. Tem mais covas para cavar, pateta. Oito para eles, uma para mim, uma para o velho Sor Inútil e a última para seu garoto careca.
Porém, no lugar de Sor Arlan estava Sor Bennis. Isto é o sinal de que não havia lição de honra a ser aprendida, só a realidade nua e crua finalmente se mostrando a Dunk.
Todos morreriam na guerra e tudo seria absorvido e justificado por ela. Até mesmo pessoas que Dunk julgava estarem fora do alcance do conflito, como Egg.
A pá escorregou das mãos de Dunk.
– Egg – gritou –, fuja! Temos que fugir! – Mas as areias escorregavam sob seus pés. Quando o garoto tentou se precipitar para fora do buraco, tudo desmoronou. Dunk viu as areias cobrirem Egg, enterrando-o enquanto ele abria a boca para gritar. Tentou abrir caminho até o escudeiro, mas as areias erguiam-se por todos os lados, puxando-o para o túmulo, enchendo sua boca, seu nariz, seus olhos...
Apesar da alegoria, o sonho aqui mostra bem claramente que a indolência de Dunk levaria todos para dentro do túmulo que Dunk estava escavando para aqueles que morreram porque ele fechou os olhos.
A mensagem anti-guerra que parece estar subjacente aqui é a de que o cumprimento cego do dever não absolve ninguém da responsabilidade pelos mortos, e o conflito atinge a todos indiscriminadamente. E as consequências nefastas da guerra estão por todo nas terras Osgrey. Seja nas vilas ou nas amoreiras.

O epílogo de um sonho

Para finalizar, é preciso analisar o que realmente aconteceu durante o enterro de Castanha.
A primeira coisa a entender é que Dunk não chorou e não houve enterro nenhum:
Nunca chorei. Posso ter tido vontade, mas nunca chorei. Ele tentara enterrar o cavalo também, mas os dorneses não esperaram.
Porém, a lição que Dunk ouviu de um dos cavaleiros dorneses era relativa ao ciclo da vida e a aceitação de que os animais carniceiros que viriam cear da carne de Castanha estavam protegendo a sua própria prole:
– Cães de areia precisam alimentar seus filhotes – um dos cavaleiros dorneses dissera para ele enquanto o ajudava a tirar a sela e os arreios do castrado. – A carne dele vai alimentar os cães ou as areias. Em um ano, seus ossos estarão totalmente limpos. Isso é Dorne, meu amigo.
A partir desta mensagem é que Dunk, já acordado, faz uma nova reflexão sobre as eventuais mortes dos plebeus. Porém, nem mesmo nesta nova meditação Dunk é capaz de achar significado algum para que os novos soldados de Osgrey percam suas vidas:
Ao lembrar-se daquilo, Dunk não pôde deixar de se perguntar quem se alimentaria das carnes de Wat, Wat e Wat. Talvez haja peixes xadrezes no Riacho Xadrez.
Encerrada a questão no plano onírico e no plano racional, não surpreende que Dunk tenha, logo depois do treinamento, perguntando a Sor Osgrey por uma alternativa.
Uma espada juramentada deve serviço e obediência ao seu suserano, mas isso é loucura.

submitted by altovaliriano to Valiria [link] [comments]


2019.11.21 07:31 lavador_de_rosto Eu tenho algo a dizer.

Eu tenho algo a dizer como nunca tive antes. Eu tenho raiva pulsando nas veias. Eu queria começar esse texto de um jeito sútil, delicado e amável, mas eu não tenho nada bonitinho a dizer. Eu venho da melhor geração da história e insistem em nos subestimar e desafiar todo maldito caralho dia. É isso porra. As outras gerações, bosta. Nós temos acesso ao conhecimento ilimitado em tempo real em qualquer lugar do mundo. Algo que já é bem popular. Nós vimos quedas e ascensões. Nós temos algo a dizer. Sabe por que? Porque quando a Greta Thunberg se torna uma ativista a nível mundial, as pessoas zombam dela sendo que com 16 anos estavam preocupados demais em engravidar alguma novinha nas escola. Esses filhos da puta tentaram matar Malala Yousafzai, e ela ainda ficou de pé depois de um tiro na cabeça. Temos proeminências musicais, no cinema as câmeras voltaram ao preto-e-branco e 70 mm. Eu vejo mudanças toda porra de dia e eu tô cansado da política, cansado de rirem na minha cara. CANSADO DESSA MERDA! Eu discuti com um tiozão, ele me chamou de adultescente. E oq ele já tinha feito com a minha idade? Trabalho desde os 12, nasci um fodido, meu pai criou uma dívida enorme pra me dar uma educação, pra isso? Pra um velho que se acha rico pq foi 3 vezes pra Argentina não perceber que quando eu me fodo ele tbm se fode? Que tem sempre um fodido pra pisar na gente? Nenhum ativista mentiu, nós somos uma geração criada sozinha. Vcs nunca estavam lá, e mesmo quando estavam lá, não estavam lá. E agr a sociedade dá de presente pra gente ansiedade e depressão e vcs agem como se ela tivesse saído DA PORRA DO NOSSO CU. Eu tenho vontade de gritar na rua, de surtar, de bater num velho, de transar até morrer. Nós nos preocupamos com as merdas que a gente vai ter aos 50 pq vcs criaram a gente pra isso, então quando a gente clama direitos vcs riem. Vcs nos endividam nos EUA, nos agridem no Chile, nos queimam em Hong Kong, nos matam no Irã. Vcs querem oq? Que a gente ceda de uma vez? Não vai rolar seus merdas. O conhecimento já chegou na mão do preto pobre fodido. Chegou lá no nordeste que vc fica zoando que não tem água. Já chegou até no cu da sua mãe. E sabe como a gente vê? Pq velho otário cai em fake news e elege presidente animal e a gente não faz nada. Alguns privilegiados omissos ajudam, alguns moralistas tbm, mas principalmente os que acham que são alguém na sociedade pq os HOMENS DE BEM disseram. Vcs fazem eu cagar mole e tacar na parede igual quando eu ficava bêbado com 17 anos. Oq a gente tá esperando? Oq? Eu vi uma peça de teatro fantástica, era sobre Cassandra. Ela era vidente em Tróia e vivia gritando como todos iam morrer e a cidade seria devastada, mas ninguém acreditava nela. Eles matam homens indefesos com 80 tiros. Eles roubam nossa liberdade. Eles vem como tsunami e a gente ri. A gente sempre ri. A gente só ri. Eu quero rir e gritar, quero chorar tbm porra. Eu só tenho 20 anos e sinto que tenho que trabalhar como um cara de 40 anos com 2 filhos e um casamento de merda. Pq foi dessa merda de jeito que eles nos criaram. E eu tô cansado de ser representado igual um animal burro e sexual como em Elite, um depressivo que romantiza várias merdas como em Euphoria ou meu deus RIVERDALE????? Eu venho da geração mais foda da história e eu quero ser respeitado como o caralho foda que eu sou. Eu e meus amigos gostamos do termo "geração tutorial YouTube". Pq é exatamente isso, ensino básico e direto em qualquer lugar a qualquer momento. E quer um ensino melhor? A internet te dá. Nas próximas guerras nós usaremos as mídias dos smartphones como armas e nós já nascemos sabendo doma-la. Pq isso eles querem nos domar. Eles sempre querem domar os jovens. E depois vão dar um nome de merda pra gente como baby boomers e millennials. NÓS devíamos ser os fudidos, ou os assholes, ou os cagados. Vc já pensou que com 50 anos a radiação do seu celular talvez já tenha acabado com qualquer chance de vc ter filhos? Ou que, SE o aquecimento global for real (para os animais que não acreditam) nós estaremos tão fodidos que a chance de sobrevivência talvez seja mínima? Levando em conta o meio ambiente, fatores socioeconômicos e históricos, e principalmente, recursos (em vários sentidos), talvez nossa morte seja a mais certa de todas. E eles insistem em nos foder mais e mais. A gente tem que aproveitar essa pouco juventude que a gente ainda tem, enquanto a gente ainda é só geração Z. E que nome de merda. Devia ser geração A++. A primeira geração do conheço puro e difundido. A primeira que superou todas as outras. E ainda temos que ouvir que somos a geração mimimi? PQ? Pq fomos capazes de discutir assuntos que vcs não conseguiam pq gostavam de agir como imbecis? Ou pq sabemos lidar com mudanças melhor do que vcs? Ou pq vcs são uns fodidos preconceituosos e precisam de um álibi? Ou pq vcs não vão tomar no cu HEIN! HEIIIIIIINNN LAMSNSUUSOANEBDUISNWGDUKS WGDIWM WVSUSKSVGXOSKWNHDUDVWJWKJSBSYEOAM SHWIGEHIRNSNOANWHS SBSIKS E NO SHD X JENS SBIS. CKEJX N KX DHXJ D SIS S EJ F RICND DJ DJC X. CARALHOOOOOOOOOOOOO. VCS COSPEM NA NOSSA BOCA E GENTE ENGOLE. VCS VOMITAM E A GENTE LAMBE. E EU TO CANSADO DESSA MERDA!!!!! TUDO QUE EU FAÇO É PENSANDO NA MERDA DO FUTURO. Eu tenho ahlzeimer (foda-se como escreve) na família. Um dia eu vou esquecer tudo, isso é um fato. Então eu só penso em lembrar de tudo enquanto dá. Eu assisto Scooby-Doo 2 pra me lembrar de quando eu tinha 5 anos. Eu questiono tudo. Eu tenho ansiedade, igual vc provavelmente tem. Eles nos tratam como animais selvagens que lutam contra gladiadores. E a gente ainda não fez nada. Não que eu sinta que esse texto vá mudar algo. Mas eu sinto que se a gente não fizer NADA, a gente vai acabar igual eles. E culpar a próxima geração por tudo como se ela fosse um pedaço de merda. Elegemos um animal, e a culpa tbm é minha pq qualquer um que não se chama Adélio Bispo tbm é culpado. E daqui 20 anos vão tentar culpar alguém mais. Tente sair dessa bolha de MERDA e AJUDAR O SANGUE JOVEM DESSE PAÍS PORRA! Um dia a entropia vai matar tudo, e só por isso a gente devia tentar viver o mais confortável possível. Mas sempre nos impedem, e na real? Nunca é nossa culpa, pq nem deu tempo de fazer NADA ainda. O pessoal de 95 tem 24 anos porra, seus pais com 24 tavam fazendo OQ? Já eram ativos politicamente igual a a gente? E discussão social? Feminismo, racismo, autoritarismo políticos, direitos civis, discutiam? Caralho nenhum. E a gente NASCEU falando disso. E toda dia vem um cuzão do caralho esfregar o cu na nossa CARA como se a gente fosse o demônio de pau invertido. Eu espero que essa merda cause algo em vcs como causou em mim escrever. Esse foi meu protesto. CAOS.
submitted by lavador_de_rosto to desabafos [link] [comments]


2019.10.21 05:06 PandoraSymbionte disappearing boy

"But I'm just a kid..." opening sentence of a story. "It was just a little mistake" as the ending sentence.

things are hollow, people on the street seem to be fading, but it is you that is disappearing, never on sight.

Hemlock has partial micro-convulsions from time to time.

Attack metamodernism for what is seen as 'capitalist analogs'. We need a plural culture to

better transform our current capitalist state. Metamodernism risks commodifying plurality in little boxes of ambiguity and irony cycles, hollow layers that need to be peeled then covered with something else.
How to incorporate Lethem's concerns in 'The Ecstasy of Influence' into the twin stories ( Panta and Gargantua)?
A theme: Slice of Life in the 21st Century
'Transcreation' part of the opening sentence in Panta

The night is viewed as the time and place which and when things from the Day transform

and transmute, commute and dance more freely. As Joyce dissolved and amassed his previous epic of the day in a long night and book, Finnegans Wake, a kind of fall, I want to dissolve and amass my services creating researches and articles in a virtual kind of night, in which I’ll be able to transmute and transform their form and content to fit a larger narrative. Yeah, I wish.

Nameless thief: a bag of wonders, a box of Pandora, my personal patchwork of themes,

characters and styles as particles colliding with each other. An immanence of transcolliding fictions, a maze of affects. The little book of the arrival, the first happening, the creation myth of our universe. Here I’m to transform my library in a story, a bizarre tale of a night without light but the moon’s. My Silmarillion.

the light running through nothing to hit him in the face

Drown yourself in meaning, without silence, make noise until you die. Then silence.

light metamorphosing into sound

I feel my time flux through the floating flame of an uneeded candle that repeats dancing

with its sisters, beating hearts of light, of syncopated difference. They jump in the air when I close my eyes. They are as free as I am not, traveling back to hit me in the face.

smitten with spells and wrath of gods - modern and old alike - they transform him

chaotically, agonizing he pleads.

In the emptiness of a mealtime thoughts coalesce and crystalize, a mirror is held to the void's face

making it recognize its own present as a sphinctery push between past and future ,- where it is made clear that this voice echoing around the head, through and about it, has a misfortune of not being enough anymore, as the voices of parents wheren't a long time ago - the cocoon breaks to reveal something new forming and already festering, enclosures enough in the past, like the prescriptions of mothers and fathers, weren't for a long time, as the inner voice that assumed thereafter, aren't anymore -, enough, that is.

Use my pocket city turned fiction to purge affects, like, for example, materialize the hatred for this fucking

idiot on the bar below, putting music so LOUD. What is wrong with you?
He grew up cultivating an affect for those not-so-rare moments of movies when a character, most notably the protagonist, imagined in some Christian way of the good samaritan, acts selfless and seems so nonchalant about it - as if it is something natural to them. He grew up trying to find the right spot to act in the same manner and feel a mirror to the world, someone not preoccupied with his many thought pattens but with acting right, cutting the chase. He saw many opportunities and acted accordingly, but something they don't teach you in the movies is that time is a differential: differently from those characters, who do something and months pass on a blink and they seem to not have changed a bit, when you do something selfless, you are faced with the passage of time until you begin doubting your actions.

Here comes THE IMMANENT OCTOPUS OF PRAXIS, watch him go, look at him

Pothole ~ ### Potboiler ~~ ### Holeboiler

Hollowpot ~ ### hollowboiler ~~ ### Hollowhole

a little monster that feeds off of sperm lurking in the corner of your room

a soup of conceptual necessities

thinking -- ### thin king -- ### fatking -- ### hefty(k)ing

I was that guy that sees what you're searching for, picks an ad designed specially for you and puts it in your video, your page, your porn, and whatever else. I was the enemy. It's that simple.

Like a frog in a monocycle inside the mouth of a golden baby.

I need to unironically vape right now

Everyday, after a good shit, I go scavenging my poop searching for gold. There never is any. So I grunt my way to work.
Parasytes that come at night, enter your open snoring mouth and chew the insides, causing mild pain and a bloated uvula that may incapacitate speech.
She rather dreamspeaks sometimes
when an apocalyptic-proportions catastrophe comes out, has to, because of the sedentary ways he was living, become more accustomed with 'real' life by rationalizing his time and rate of 'exercise' - imagine how I would have to think if aliens or zombies invaded my city out of nowhere and I was living like I am/was in the year 2017.
Nothing more extraordinary could be in the little park, besides two adult women, fences, fresh grass, and two kids.

Time passed slowly and the temperature fell nicely,

the trees swayed

Their mothers chatted joyfully. They didn't.
The first gaze was kind of weak, by the corner of the eye; just a glance.
Territory dashed with rustling leafs
Matter of a moment. A second. An encounter. One charm.
how morbid how lovely
Continuously echoing Hemlock
like chemotherapy: it's poison, but can help against the cancer.
festering growth of a structure
apenas suor amargo expelido junto do café processado e pensamentos nervosos de um ser neurótico e quebrado que não sai de uma cadeira há dias — chorando its way out of suicidal thoughts.
Vampiros, mas vampiros treinados pra temerem a noite. Reciclando seu próprio sangue inexistente enquanto o verdadeiro banquete gargalha às suas costas.
O canto dos grilos ao meu redor, o cintilar das estrelas na distância, vistas pelo escopo sujo de minha visão míope. Cheiro forte de vegetação, mijo e bosta; produtos bovinos, equinos e humanos alike. Tudo atrás de cercas mal-feitas e desgastadas pelo tempo. O relinchar de um burro ou jumento com um perturbador barulho de arame farpado sendo brutalmente torcido e pisado. Tudo ao meu redor, tudo na distância. Enquanto imagino o pobre animal lutando pela sua ingênua noção de liberdade, minhas pernas dormentes se arrastam pela areia. Quentes, efervescendo em cansaço de um logo dia que passou num piscar dos olhos de um cego. Minhas inúteis pernas livres contra a areia fria, areia essa que não sinto por baixo da sola de meu sapato, nunca senti. Mas que sei, de alguma forma, possuir imenso frio; pelo menos por essas horas. Sozinho, fones de ouvido enfiados até o interior do crânio. Música ambiente alta sob as estrelas à minha volta, como sempre, voltando do trabalho. O pensamento de tirar a música ambiente artificial e simplesmente ouvir o ambiente ao meu redor nem me passa pela cabeça; No seu reino de vegetação vasta, com incontáveis acres das mais coloridas configurações: fertlidade é a palavra de seu Aeon. Sofás, almofadas, colchonetes... todas as formas fofas e confortáveis são os assentos mandatórios do povo; e nem sequer um mendigo vive sobre o chão duro e frio nem sob pontes metalicas mofadas... ...se o Green King me aceitasse em seus pastos secretos, eu não estaria batalhando por significado nas minhas diversas reconfigurações dentro do quarto: onde sentar se não em uma de suas almofadas santas? Mas só tenho esse chão frio e um corpo suando por um motivo que certamente irei inventar mais tarde."
People will be born from giant wombs - collectivelly, somewhat of worshiped. They were initially artificial but being biologically engineered, evolved;
Papel em mãos, deslizando como água. Nada como a sensação de ter riscado todas as tarefas da lista de afazeres diários; nada mais a fazer hoje, resto do dia livre. Que horas são? Posso ter emendado no dia seguinte sem sequer ter percebido mais uma vez (não é incomum). Hoje fiz muitas notas, notas me deixam desconfortável, ainda mais quando são tantas como hoje. Seria isso mais uma nota? Quem poderia ser?
Preso em si mesmo, absolto de pecados mecânicos, um espelho que aponto pra outro espelho: Eu sou o mundo, o universo. Eu sou o buraco negro fora do tempo — Aquele possuidor de tudo, luz e espaço e flutuações quânticas. Tudo é em mim... (This is Hemlock echoing, trying to reach Lis) "E eu não sou nada sem você..." (This is Lis responding) Shut up. (Hemlock responds).
Hemlock is the villain and the goo interactions with the drugs makes him not see clearly focusing too much on himself, but the 'magical realist' side of the story is like a corner of his mind trying to dissuade him from his own narcissism, trying to make him see something other than himself and his own problems.
Make people notice Hemlock's convulsions. He doesn't, but the reader needs to. And since we're using this, make sure that in the parts where he is most lucid, he'll think clearly enough to make the reader understand what is happening, for example, he'll think about his money problems and his freelance practices, also, we can add character dialogue and interactions when he is convulsing and lucid to showcase the difference (also, more characters besides the rambling Lis/Hemlock would do good and make it more well-paced, not just a long stream of consciousness, else the reader would feel too claustrophobic trapped inside a constant barage of obscure terms.

Hemlock is a modern Jonah, only the whale is dead, the fish is rotting on the ground,

and its smell, its ghost, is lurking in the shadows, in the corner of his awareness. He has a two-way condition: the anxiety of waiting for that whale to come and the paranoia of suspecting being already trapped inside a dead fish. There is no Whiteness of the Whale, the Whale is not the ghost of anything, it is dead, and its ghost is not white but invisible with momentary flashs of hollowed transparency.
Maybe we can touch nicely on this with an event happening on the beach, first only mentioned by the scant corner of Hemlock's awareness, but later expanded upon when Hemlock goes to see the suicidal whales dying on the shore (as many people are also there, as previously mentioned).
Translators have to make themselves invisible too.
Panta is living in Brazil, but he, being a parasite of the English-speaking world, thinks in English admixtured with Br. People around him, at least most of them, talk normally in Portuguese.
Rabid foaming mouth, whirling colorful anime eyes.
Sit down!
If you're struck by lightning, you have no choice, there it is all flowing through your body, your bones, your blood. Your brain spasming with the twisting of your fingers and the burning of your pores, scorching hair all the way to your soul and back by the foaming mouth. You can't even scream as your larynx is too hot to work. So you accept, it's the only thing you can do, else you're dying from psychological stress besides the already unbearable physical one. It is after, after you accept it, as well as after it is gone seeping through the ground, that magic first reveals itself real, alive. You learn to see fire in everything, coming from your mouth as you speak and your tongue shimmer's ghastly, burning inside your eyes, bursting to meet other's and from them to yours, everywhere; but again, you have too, else you'll be locked in an asylum. You wake up in the night with images flashing so strong in your mind you think they're coming out of it, materializing by way of fire, exploding from your ears, eyes, mouth, oozing from your nostrils and destroying your skull on their way out. And when everything is fire, you don't know how to feel heat anymore, you're either always very cold or insufferably hot.
Hemlock's hollowed, tired to a pulp on the ground, he moves pryapic as a dick, a vectorr, a Mickey Mouse, being each time more penetrated by everything. It is when you're most gone, blending in the background, that meaning most reveals itself as you yourself, faded, chasing your own tail, blending in the background, disappears on repeat.
Hemlock is a metamorph as well as Lis, we can denominate in the text them by this name multiple times, be it one calling the other this or each calling themselves this. Such as "Me, the metamorph" or "You are a metamorph".

It was in his suppurating hate inside that bus, looking at all those people chattering or

evicting each other, wanting them all to disappear with the smog filling the smoky grey sky that a foreshadow germinated in the belly-mind of interactions that formed ‘him’. For there will be a time of non-human verbosity, a time of critical access, of epiphanies inside habits and habits out of improvisation. But now, first, the hate has to almost consume him as millions of virtual needles pierce his anxious skin. There, in the future, there is no skin – only the needles. But Samsara is law and you must survive; or maybe die – depends on the view and the date in which karma passes, if it will. Now the needles pluck and the pores ooze prickling goo turning black in the way out like caviar gushing out of a big-ass fish.
He saw no difference in reading or writing. In fact, he saw no difference in creating and consuming. Fucking or being eaten by the maggots. If it exists, it is to be cherished somewhere and to die later, and if it doesn't, it eventually will. No time for fame, prestige or power. He got sick of power from the moment he lacked the choice to be born, when he first realized he was going to die no matter what. It had happened by chance, and he didn't know how he felt about it. Nothing is of anyone, he thought once, nothing is for anyone. We simply are the things we like, we are the things we create and do. We've got only so much time, so let's just enjoy who we are and be until we can.
As if you were a dog, imagine that. A strange hand comes out of nowhere to surprise your ear with the most sweet of warm scratches. It feels good like that. Careful who you throw a bone to. If it still has some meat, worse. If you're going to throw it anyway, at least clean it cautiously.
Can you see the machinations yet? The white cold skeleton, the still meatful skull. Do you want to lick it? Just touch it, maybe. At the very least sniff its putrid coiling

A story about someone that made a treatise on why a new conception of magic would be to

our benefit and serve as unifying mode of living in a plural society with plural values, much like some people think that tools like category theory are for the benefit of science and plural ways of interpreting the world, much like, also, a method of translation without, despite being sharp, being cold. But, in the story, this someone dies before having to publish or disseminate their message. This someone could be related to Hemlock and he could be the person tasked with guarding this manuscript or set of manuscripts. He might decide to let it die with him, only trying to live by these rules and show rather than tell people how to behave. Mirabella, a possible name.

Hecate might be Hemlock. We need to try and keep this nuanced enough for a reader to question

this possibility. Hecate is a strange name and Hecate is only seen by Hemlock, when he is alone. Since Matilda is very smug, this is possible, and she is the only other who claims to know Hecate. Hint to this in two points in the narrative: first when they're talking with Nicolle, in her apartment, where Hemlock is to burst goo out of some places and pores (of the skin), and begin to seizure and incorporate Lis' personality, voice and possibly refer to himself as Lis, also at the end when Hemlock is to assault the guy on the beach covered in dying whales (nuance it enough for the reader to find it strange how much Hemlock is taking it personally, it could be because he is feeling righteous, because he hates these types of men and/or because he is Hecate.) It is a great idea to make Hemlock incorporate Lis because now we can expose some of our passages and sentences in Lis' voice that we previously didn't know how to insert diegetically.
If you leave it unchecked, life will conquer all. It's too expansive for its own good. I find it exaggerated.
Her lungs probably looked like that lichen-covered wall, all mossy and disgusting, yet somehow inviting, hopeful. She often punched her chest to unglue the phlegm, imagine the boogers falling and sedimenting in the bottom until she could not breath. That was the situation of the forest. But she was not desperate. We were. Run for your lives, we scream everyday, when she patiently tread what will eventually catch us. Our plump lady.
There once was a planet infested with trees infested with humans infested with political issues in the making.
And I found myself in the center of a hollow pan full of holes.
Ill-illuminated excuse for a city.

The story could begin, rather, with Hemlock not already in the car but in the park (My park, o parque da cidade). Then, after

some alone time there, he goes in the car. This could be the perfect moment to make more explicit what is happening, what is his motivation going to club God, why he is nervous, and to show his first seizure of the day, a strong one, before the other small ones througout the day. We can well-contrast the initial scene, if it is really to be the initial scene, with the final one on the beach. This could serve as somewhat of an opening artistic prologue in dominant third-person voiced by Lis and sprinkled with Hemlock's gapped thoughts. As a Jonah in a dry field, this is perfect to incorporate some Lis narration, also serving as juncture point with the later scene in Nicolle's house, the manifesting of Lis.
half-blind barely visible visionary

The first moment in the park, when Hemlock is almost to have his first seizure lying down

in the grass, he sums up, in an almost modernist way, the entirety of his nostalgic sensation regarding his region (Cariri). For example, our floods, our energy outtages, our smells in different seasons, etc. For the major public, that are outside this unique place, they can only imagine approximations of these sensations. Hemlock is absorbing the world, he is projecting forth all his memory, until the ceiling (the sky) begins to oscillate and turn gray, making everything around seen homogenized in a cloudy mass (a mess, also). This is our "half-blind barely visible visionary" moment.
It might be more comfortable to live in the dark. Not to have to open your eyes, adjust to the light. Turn off your lights, sit tight, close your eyes and wait. Maybe put on some music to help. Medicate yourself, self-convince you're not cut to a good life, to endure the struggle. The best you can do is rest there, waiting for the end. It is not really bad, just bittersweet. You had your share, you have good memories. You lived. That has to count for something, right?
enhancing transmuting manipulating conjuring specializing doesn't make you special emitting
I just wrote a research brief on how to take care of raccoons, and it was the high point of the night, at least I felt like I helped someone. Better than a market sizing and trend analysis of the lice treatment market.

As Hemlock is walking the streets, he feels as if he is losing weight, and he doesn't know

if it's because he is disappearing or because his money is flowing through the holes in his pockets. Either way, the result is the same. For whatever practical purposes, he is losing himself. He wastes away through his pores, black goo trails about soiling everything like fresh oil.

When having a small seizure, Hemlock sees everything and everyone as if smiling our of

nowhere, smiling so strongly to almost rip apart the skin, so strongly that the eyes curve and seem to disappear in their own slits. He also can feel like spinning, Two of my images that, again and again, ask to join my fiction.
@@@ Sing all the trees and musks. Lichen, algii and funghi alike. Be alive or no more. Sing now, no more whispers. I am here. I am yours.
remonstration
Finally sober of myself. (Seizure, and the blue that is leaving)

What if the girl cooking across the sreet is somewhat of a witch, at least in Hemlock's

goggles? How could we subvert the 'witch appearance in magical realism' trope? Maybe showcase more of my culture, Bruxas intead of Witches. Bruciare, coming from brucia, meaning something similar to burn. Bruxa derived from a term that meant to burn before it actually had connections to dark magic. It is as if people wanted to burn someone and later, coming back from the ecstatic stupor, began to rationalize a way out of their guilt, trying to justify their blind rage. This girl is not a bruxa, a witch, but she is a brucia, she is burning. She doesn't have any sign of connection to the dark magics, no evil intent, yet she burns behind invisible bars, as if in an abandoned waterless aquarium close to the stove. Her aura burns, flowing our of her pores in combustion. Phaethon.
Disease everywhere. Even the spork's handles are diseased.
Story title: Fkoon (The alternative for Spork)
Each passing year, old Disney's movies get creepier
"Pook" as some character's surname
Should I put "Sugondese" in the text?
My fiction up until now, at least Hummanence, is filled with liminal encounters and climaxes, where people arrive, through confusion and ecstasy, to a magical stupor of realization, epiphany and liminarity
Things that are too true need not be said. Fiction is lying.
What is the significance of water to my writing? This theme birthed itself just now while I formulate the beginning draft of my "Floods" essay.
What about sugar cane fields here in Barbalha? They just suggested themselves while I wrote the beginnings of my "An Ode To My Wart" essay.
While this new epiphany of having what I know and where I live represented in my fiction needs to be applied as of now, we need that transition to be effective: the short stories we're developing right now need to gradually show more of this until it is something common. For example, Pantagroreille will talk a lot about this, more than something like Chimerality, but neither of them can rely too heavily on this as something that comes later.

Nicolle, representing our mainstream view of science, the new "regime of signs" that opress

Hemlock's loose canon of understanding, that involve magic as developed by Mirabella, is a force that stomps Hemlock, pressuring his weakened state to break and give rise to a realized Lis. For this to make sense, Hemlock's scene at the park when the story begins need to somewhat imitate Walt Whitman's celtic style, magical, contemplative. This will make the reader more familiar with this particular theme, this clash later on.
About the scene later on, relating to Hecate, where Hemlock is to confront the possible man (or men, a group) that supposedly tried to hurt Hecate, how does it also relate to B.? Think about it, who is B.? I didn't expand on him or his whole plotline. What about this organization lurking in the shadows of the city and relating to Eli and Matilda? As previously thought out, they could be people coming from foreign lands such as Sicilia and the Balkans, influencing and participating of criminal activity with big money and big risks on the table.
Why don't I develop Hemlock's passion for the nightsky? His fascination with the stars and everything heavenly.
old anime vibrating eyes
undying sick man
Mickey mouse dick, when you squeeze the mouse so much go pee drink water pee again squeeze water pee squeeze until it becomes Mickey when you hallucinate Disney's old movies. Your dick alive, self-detached clicking eveywhere. (develop this passage).

What if we go into a long sequenced soliloquy about forgiveness and order and how Hemlock

should ignore the assaulter and let it be, since he is possibly related to his sister, a teacher or something. Only to, after a long walk full of internal thoughts, the guy says something (or does it), so shitty it makes Hemlock get in position to jump over him (much like Pitou), to smack the guy so hard-- Maybe what the guy does is try to joke (or even touch) a random woman/trans person on the street (that finally has Hemlock forgetting that whole talk, as well as being a metacommentary on our "though" generation, that attacks rather than ignore). Violence can be good.
I have too many ideas for Panta, so we need to pace it naturally not to allienate the reader. Also, so it can all flow better, else it would be too dense. That's a reason the story is growing out of the previously thought word count.

Make Hemlock meet a person on the street while he's having a seizure, and this person is to

ask if he is ok and whether he needs help. This might be one of the first expositions that can make the reader go "something's not right here".

Noy only with words and phrasing, but also play with punctuation. For example, if Hemlock

usually should end his internal questions with a period (as in What could it be doing here., when referring to the black plague doctor), make Lis end hers with normal question marks, as if she is asking Hemlock about stuff. Also, make Hemlock/Lis react to every time the word Lis appears, even when in longer forms such as "Listen" or "Capitalist".
Olivia feels like peeing each time she thinks too hard or after concetrating too much
submitted by PandoraSymbionte to LibraryofBabel [link] [comments]


2019.09.20 05:49 altovaliriano Entrevista de 2006: Fantasia pra quem não lê de fantasia

Nesta longa entrevista, vocês verão Martin:
  1. falar sobre como ele quase foi o roteirista de "John Carter - Entre Dois Mundos" em 1993 (6ª resposta);
  2. criticar puritanismo dos leitores (16ª resposta);
  3. contar que a editora tirou desenhos de temas medievais das capas para que os leitores casuais de fantasia não passassem vergonha (17ª resposta);
  4. cutucar J. K. Rowling e Dan Brown com uma única tacada (19ª resposta).

Link: https://www.abebooks.com/docs/Fantasy/george-martin.shtml
Autor: Andrea Warner

[...]
AbeBooks: Você se lembra da primeira história que escreveu quando criança?
George: Primeira história ... Eu provavelmente ainda a tenho em uma gaveta em algum lugar. Eu sou um verdadeiro rato-trocador; eu guardo tudo. Eu tenho [em] uma gaveta, uma trunk story (vai depender do que você define como sendo uma história). Eu tenho um livreto; é como uma enciclopédia espacial que escrevi quando criança. Um desses blocos, com capas marmoradas, sabe. Onde você pega sua caneta e preenche a parte branca até que ela fique preta e azul? Está tudo escrito em um desses. Uma Enciclopédia dos Planetas, comigo fazendo a arte, que consistia principalmente em eu desenhar um círculo e depois escrever algumas coisas sobre o planeta. Era uma estranha mistura de fato e ficção. Tem Marte, desenhado como o planeta vermelho e que tem canais, assim como tem o planeta Orm ou algo feito por mim, no qual eu inventava coisas. E tem os planetas de Flash Gordon e Rocky Joe Space Ranger, que é um programa que eu assistia, junto com planetas que foram inventados inteiramente por mim (até onde eu saiba), junto com planetas reais. Eram parecidos como estampas [block printed]. Devo ter feito na primeira série, porque eu ainda não havia aprendido caligrafia, o que acho que ocorre na segunda série. (Risos)
AbeBooks: Uau. Isso mostra muita dedicação para alguém tão novo.
George: Claro que não está terminado. Não terminei nada durante décadas.
AbeBooks: Então você se interessou por ficção científica desde que era bem jovem?
George: Sim, é o que eu sempre li mesmo. Costumo pensar que foram as histórias em quadrinhos que me fizeram um leitor. Você aprende a ler na escola com Dick e Jane, mas o material de Dick e Jane era tão chato! (Risos) Run, Dick, run. See Spot run. Sabe, as histórias eram estúpidas, mesmo para uma primeira ou segunda série. Anos mais tarde, vi alguns dos famosos McGuffey readers, com coisas que a geração de minha mãe leria nas décadas de 1930 ou 1920, e elas estavam cheias de histórias reais de escritores reais, com que as crianças estavam aprendendo. Mas [em] minha geração, os baby boomers, nós tínhamos Dick e Jane, e isso não conseguia me convencer a continuar lendo. Mas Batman e Superman conseguiam: eles eram muito mais interessantes que Dick e Jane. E quando eu encontrei histórias em quadrinhos, eu as amei e as li por anos.
AbeBooks: Eu sei que você trabalhou em Hollywood por alguns anos. Você já pensou em trabalhar ou adaptar algo para uma franquia do Batman ou algo semelhante?
George: Bem, você sabe que eu tenho minha série Wild Card, que é minha própria versão de Super Heróis, mas não se pode simplesmente adaptar o que quiser para Hollywood. É necessário esperar que um estúdio o contrate. Eu fiz entrevistas para alguns trabalhos do tipo Super-Herói, mas eu nunca consegui nenhum. Foram feitas algumas boas adaptações nos últimos anos. Nas franquias X-Men e Spiderman, em particular, fizeram um bom trabalho. Em minha primeira publicação em uma revista profissional, não recebi nada, mas foi no Quarteto Fantástico #17. Foi uma carta. (Risos) Dizia algo como "Stan Lee, melhor que Shakespeare".
AbeBooks: Quais escritores você mais admira?
George: Isso daria uma lista longa. Os escritores tiveram maior impacto sobre mim quando eu era jovem; quando se é mais impressionável. Você tem menos experiência de vida, é mais provável que fique impressionado. Eu li ficção científica, fantasia, horror, sem restrições; não fiz distinções de gênero tão definidas como outras pessoas fazem hoje em dia. Robert A. Heinlein certamente foi meu escritor favorito. Um amigo de minha mãe me deu uma cópia impressa de Have Spacesuit - Will Travel e Scribner's Juveniles. Foi o primeiro livro de ficção científica que li e foi por muitos anos o único livro de capa dura que eu possuía, porque não podíamos pagar por capas duras. Mas ele me viciou em ficção científica, então, em vez de comprar quatro histórias em quadrinhos, eu comprava uma brochura por 35 centavos. No ensino médio, li O Senhor dos Anéis de Tolkien, e ainda é um livro que admiro muito. Releio-o de anos em anos, ou ao menos repasso alguma passagem dele. H. P. Lovecraft teve um grande impacto em mim em certo momento. Horror... suas histórias me assustaram muito. Robert E. Howard - você sabe, Conan, o Bárbaro, é ótimo para um garoto de 13 anos. É uma boa idade para descobrir Conan. Certos escritores é necessário ler em determinadas idades.
AbeBooks: Eu concordo inteiramente.
George: Veja, eu senti falta de Edgar Rice Burroughs. Anos depois, na minha época em Hollywood, fui contratado pela Disney para adaptar Uma Princesa de Marte, então peguei Edgar pela primeira vez e (risos) ele não é um bom escritor para experimentar aos 45 anos.
AbeBooks: Quando você estava criando a série Gelo e Fogo, de onde você tirou inspiração?
George: Até certo ponto, depende de quando você está falando. A primeira ideia da série me ocorreu em 91, quando eu trabalhava principalmente em Hollywood. O primeiro capítulo veio a mim muita vivadamente. Eu escrevi cerca de 50 páginas até que Hollywood me ligou novamente, e tive que colocá-las em uma gaveta pelo que acabou sendo um par de anos. Naquele estágio, eu realmente não sabia o que eu tinha ali. Alguns anos depois, voltei e a coisa ainda estava tão fresca como quando a havia escrito. Finalmente, escrevi cerca de 150 páginas e um breve resumo sobre onde eu achava que a história iria. Naquele momento, eu a visualizei como uma trilogia de fantasia, com apenas três livros ao invés dos sete que agora visualizo.
AbeBooks: Surge um certo apego com os personagens enquanto se lê a saga e, de repente, eles estão mortos. (George ri) É de roer as unhas! Algum de seus editores já expressou preocupação com personagens principais sendo mortos?
George: Não, todo mundo parece gostar disso.
AbeBooks: É ótimo de ler, me deixa aterrorizada.
George: Bem, essa é a ideia - que você deva se importar. Se o personagem estiver em perigo, você deve ter medo de virar a página.
AbeBooks: Eu li que Tyrion é seu personagem favorito.
George: Não significa que ele esteja seguro. (Risos) Ele é o personagem mais fácil de escrever. Eu gosto da inteligência dele, e ele tem nele uma certa quantidade de tormento e angústia, o que contribui para um bom drama.
AbeBooks: Muitos de seus personagens não estão, de muitas maneiras, livres do pecado, o que é interessante.
George: Eu queria retratar uma certa realidade humana. Não gosto de fantasia onde todo mundo ou é um herói ou é um vilão, preto ou branco. Eu prefiro pintar com tons de cinza. Eu acho que é mais fiel à vida. Somos todos anjos e demônios em uma só pele. Fazemos coisas boas e, no dia seguinte, talvez façamos coisas terríveis.
AbeBooks: Alguns críticos descreveram sua obra como "alta" fantasia. O que isso significa para você?
George: Bem, ela é uma fantasia Tolkien-ista. Digo, você pode cortar a cebola em quantas fatias quiser, mas alguns críticos, para sua conveniência mais do que por qualquer outra coisa, dividiram a ampla área da fantasia em subgêneros, como fantasia "urbana" ou fantasia "sombria".
AbeBooks: Eu li muito pouca fantasia em minha vida, mas embarquei em seus livros de imediato. Eu acho que, em parte, é também pela intriga política.
George: Eu leio fantasia, mas também leio ficção histórica e queria dar a esses livros um pouco do sabor da boa ficção histórica. Nesse sentido, é provavelmente mais sombrio e realista do que a maioria das fantasias épicas.
AbeBooks: Muitas pessoas realmente se esforçam para encontrar paralelos entre a realidade e essas histórias.
George: Eu certamente fui inspirado por coisas da história do mundo real. Eu tento evitar uma equivalência direta. Digo, existem certas semelhanças. Você pode enxergá-las em Aegon, o Conquistador, e William, o Conquistador. Existem certas semelhanças, mas existem diferenças importantes. Guilherme, o Conquistador, não tinha dragões nem se casou com suas duas irmãs. (Risos) Essas são distinções bastante importantes.
AbeBooks: Casar-se com as duas irmãs suscita uma questão interessante. Há quem rotule sua obra como "obscena" porque há incesto e cenas sexuais explícitas. Você se depara com pessoas dizendo: "Eu realmente gosto do trabalho, mas às vezes há muito sexo?"
George: Eu recebo cartas do tipo, de fato. Não são muitas, mas ...
AbeBooks: Bem, historicamente, faz parte da vida.
George: Claro. Bem, não se pode mais se casar com a irmã, mas tenho certeza de que ainda há pessoas que dormem com elas. (Risos) Há um milhão de livros por aí, é o que digo quando recebo uma dessas cartas. Você não gosta muito de sexo em sua fantasia? Existem 37 outros autores que você pode ler que não têm sexo em suas fantasias. Divirta-se. É uma parte importante da vida humana e necessária para qualquer tipo de retrato realista. Essa é o meu público. É um triste comentário sobre a moral americana que o sexo seja a coisa contra a qual as pessoas fazem objeções. Acho triste, mas é verdade. Posso descrever um machado entrando no crânio de uma pessoa e ninguém faz objeções, mas se eu descrever um pênis entrando na vagina, haverá alarde.
AbeBooks: Algumas pessoas dizem: "Ah, evito a fantasia porque a capa é muito idiota" ou algo assim. Percebo que esta capa de O Festim dos Corvos é muito diferente de qualquer uma das capas anteriores.
George: Eles as refizeram na série inteira e agora os livros antigos foram reeditados com capas minimalista e combinando. Há muitas evidências de que meus livros parecem ser a série de fantasia para pessoas que não gostam de fantasia. E meus editores pensam que haveria ainda mais dessas pessoas se pudéssemos alcançá-las, então eles escolheram essa capa minimalista, precisamente para atrair as pessoas que dizem: "Bem, eu não quero ser visto carregando essa coisa com cavalos, cavaleiros, castelos e dragões na capa". Isso irritou alguns dos fãs originais. Recebo cartas dizendo que suas coleções não combinam mais. E também de pessoas que adoravam a arte antiga.
AbeBooks: Mas Funcionou. Digo, número um na lista de best-sellers do New York Times.
George: Parece mesmo estar funcionando. Até para algo tão bem sucedido quanto Harry Potter - reedita-los com uma capa mais adulta.
AbeBooks: Eu não sei como seria possível eles venderem mais cópias de Harry Potter. Eu pensei que todas as pessoas no mundo livre já possuíssem um.
George: Não, eles estão tentando alcançar todas as pessoas que nunca leram outra coisa que não Dan Brown. (Risos)
submitted by altovaliriano to Valiria [link] [comments]


2019.07.24 17:17 Balinoiss Gostaria muito de discutir a questão trans mas tenho medo de ser tirada de transfóbica.

Meu nome é Luiza, sou estudante de arte, 25 anos e tenho muito medo de puxar qualquer discussão sobre esse assunto e perder amigos e ser taxada de transfóbica simplesmente por querer debater o assunto para tentar entender melhor. Convivo em um meio em que muitas pessoas se identificam de diversas formas, mas pouquíssimas ou nenhuma se propõe a debater essas questões de forma racional, sem levar pro lado pessoal ou achar que por eu não concordar 100% eu estou "matando pessoas trans".
Vou tentar fazer um resumo de como essa questão se desenvolveu em mim. Alguns anos atras eu estava viajando com uma das minhas melhores amigas desde a infância que é lésbica. Estávamos em um restaurante com a familia dela e em algum momento do jantar a irmã dela falou algo sobre "homens com roupa de mulher" se referindo a pessoas trans. Eu - que sempre fui declaradamente uma defensora das diferenças - na hora chamei a atenção dela sobre estar sendo transfóbica e já taxei ela ali mesmo. Logo depois fomos ao banheiro eu e minha amiga e eu comecei a falar com ela sobre a irmã estar sendo transfóbica e como isso era ruim e perigoso. Na hora, minha amiga olhou pra mim e disse "Mas Luiza, o que é ser mulher? É usar rosa? É ser delicada e maquiada? É usar calcinha?" E eu fiquei com cara de tacho. Ali eu percebi que mesmo sendo mulher a 22 anos, nunca tinha me questionado sobre o que é a condição mulher e nem sobre o que fazia com que uma mulher fosse uma mulher. Em outras conversas ela me contou sobre a ex, que é uma mulher que não se encaixa nos padrões de gênero e por causa disso (por usar roupas consideradas "masculinas" pela sociedade) ficava ouvindo de várias pessoas no meio LGBTTQAI+ que ela era trans. A ex dela nunca aceitou isso e se afirma como uma mulher que pode se expressar como bem entende pois não acredita em "coisa de menino/coisa de menina"
Desde muito pequena (a primeira memória é dos meus 4 anos) eu sempre fui chamada de "Maria João", "mulher-macho", "sapatão" e todos os derivados disso por não seguir a risca a cartilha "feminina" e ser um pouco mais moleca. Eu simplesmente não me sentia bem com toda aquela pressão sexual nem com essa frufruzagem florida e cor de rosa que era empurrada goela abaixo das meninas pra no final tudo ser avaliado na competição de quem é mais bonita (desejável) do que a outra. Passei a vida inteira tendo que ouvir das pessoas que elas tinham certeza de que eu era lésbica pelo meu jeito de ser e de vestir, e sempre tive que explicar que nada disso fazia sentido, pois também não acredito na "cartilha da feminilidade"
O tempo passou e eu mantive essa questão sem muito desenvolvimento dentro de mim, até que comecei a andar com muitas pessoas que se identificam como "mulheres trans", e mesmo que na hora eu não percebesse, me incomodava aquela reprodução dos estereótipos do que é "ser mulher" por parte daquelas pessoas. Sempre extremamente sexualizadas, sempre reproduzindo padrões de roupas, de fala, de "interesses", até que eu comecei a pesquisar na internet canais de youtube de pessoas que falavam sobre o assunto pra tentar entender como essas pessoas definiam o que as fizeram se enxergar como mulheres, já que eu mesma nunca tinha conseguido definir o que era ser mulher pra mim (descartando a definição biológica). Percebi que em TODOS os casos que eu tive acesso eram sempre as mesmas questões: "eu via minhas primas brincando de boneca e com cabelos longos e queria isso também", "eu queria usar vestidos e chorava pedindo brinquedos como os da minha irmã", "eu sempre amei usar maquiagem e detestava esportes". Vi até gente que dizia que "simplesmente sentia-se como uma mulher" sem saber explicar como era isso, e eu, que nunca percebi nada dentro de mim que me fizesse "sentir que era uma mulher" passei a perceber como isso era complicado. Tudo que eu passei na vida em questão de sofrer com o machismo, ou de ser discriminada por não ser feminina o suficiente era em decorrência de ter nascido com uma xoxota. Essa xoxota me fez ser exigida ser sempre linda, ser recatada e "do lar", ser vista como menos capaz, tudo isso vem de brinde com uma xota, então como uma pessoa que nunca passou por isso pode dizer que "se sente uma mulher" só porque gosta do estereótipo feminino? Mulher é uma minoria social, por isso é muito complicado quando alguém quer entrar nesse grupo sem vivência nenhuma alegando simplesmente "se sentir parte". Costumo fazer um paralelo com a questão negra: Negros são uma minoria social, você pode se identificar com estereótipos negros, com a estética das culturas ligadas ao povo negro, mas NUNCA uma pessoa branca vai poder dizer que "se sente negro" e que por isso É negro, porque essa pessoa não tem a VIVENCIA do que é ser negro.
Entendo que uma pessoa que não se adequa ao gênero que foi designado ao nascer seja também uma minoria e que tenha uma vivência completamente diferente de quem é "cis", mas isso não faz com que a pessoa saiba como é a vivência do outro. Um menino que quer usar maquiagem não tem a mesma vivência de uma menina que se não usa maquiagem é tida como desleixada e feia. Mulheres trans pedem pelo direito de fazer coisas que aprisionam mulheres a séculos, coisas das quais as mulheres querem se libertar. Enquanto vejo videos no youtube de mulheres trans dizendo que lutaram pelo direito de saírem maquiadas na rua, vejo amigas que choram e não conseguem ter relacionamentos íntimos por medo de que as pessoas as vejam sem maquiagem e as achem feias. São pautas diferentes, não são a mesma coisa, e dizer que são não é vantagem pra ninguém pois atrapalha na identificação e nomeação de tais problemas para ambos os lados.
As páginas que disseminam conteúdo transativista têm muitas contradições, por exemplo: Cartilhas para "identificar sinais de que seu filho é trans" contém pontos como "perceber se a criança tem interesse por brinquedos e roupas designadas para o outro gênero" - mas ué... então eles acreditam em coisas para menino e coisas para meninas??? Isso não é exatamente reforçar os estereótipos de gênero? O órgão sexual define como a pessoa pode se expressar? Uma pessoa que não se adequa a esses estereótipos precisa então ser tratada com hormônios e fazer uma cirurgia para que seu corpo se adeque a esses estereótipos? Detestar o próprio corpo? Se o menino é "feminino" e a menina é "moleca" então isso é sinal de que ela "nasceu no corpo errado"?? Errado não é dizer pra essas crianças que elas precisam se encaixar nisso? Não é muito mais desafiador das estruturas patriarcais um homem que se afirma como homem e diz que homem pode usar o que quiser e continua sendo homem? Dizer que tem que ser mulher para gostar de coisas "femininas" não é exatamente anti diversidade?
Eu acredito que o Gênero é uma cartilha de regras que te entregam assim que você nasce pra te dizer que como a sociedade capitalista quer que você se comporte para que as estruturas se perpetuem, portanto precisamos questionar isso, mostrar que cada pessoa se expressa a sua própria maneira, e que ninguém deveria ter que se encaixar em caixinhas de comportamento.
Esses dias eu vi uma frase que achei muito explicativa, e pela qual uma professora americana foi rechaçada nessa última semana : Ser mulher não é ter uma "personalidade feminina" e qualquer corpo, mas sim ter qualquer personalidade e um corpo feminino. Essa frase pode ser usada para "ser homem" também.
Apesar dessa confusão eu sempre respeito os pronomes e nomeclaturas, e na verdade eu nem mesmo expresso nada desses questionamentos e acima de tudo trato a todos com muito respeito. Acredito que a única forma de chegarmos todos num consenso é conversar e debater, mas esse assunto mexe muito com traumas e com rejeição, então fica difícil que as pessoas consigam conversar sobre sem se sentirem atingidas pessoalmente e portanto o debate fica praticamente inviabilizado. É muito triste isso, e tem consequências sérias na vida de muita gente, pois mulheres são caladas, invisibilizadas, crianças são confundidas e encaixadas mais ainda nas caixinhas e ninguém pode falar nada pois se não é visto como transfóbico causador de mortes. Mesmo questionando a questão eu sempre vou ser partidária do respeito e anti qualquer tipo de violência.
Minha questão não é que as pessoas parem de se expressar como querem, mas que possam se expressar sem que isso faça com que a pessoa precise tomar remédios pro resto da vida, passar a negar e odiar o próprio corpo e principalmente que a questão das mulheres serem oprimidas principalmente pelo fato de serem geradoras de novos seres humanos e por isso precisarem ter sua sexualidade e subjetividade controladas não seja apagada pelo discurso de que "existem mulheres de pinto", pois a única coisa que TODAS as mulheres tem em comum é serem controladas por possuírem xoxota, e nada mais. Não é cor de rosa, não é calcinha, não é maquiagem nem unha grande.
Espero não ter ofendido ninguém com essa postagem, eu só precisei mesmo colocar isso pra fora porque vi uma postagem de um amigo trans dizendo que ia "desenhar pra quem não entendeu" e seguia uma série de imagens na qual a primeira dizia que uma drag queen era um homem que se expressava artisticamente com "signos de mulheres" com a foto da Pablo Vittar ( de maiô, cabelo de baby liss loiro e maquiagem ) e na hora veio um "CARALHOOOW ENTAO Q PORRA É SER MULHER???" na cabeça. Enfim, esse foi o desabafo, se alguém quiser debater ( com respeito) eu vou ficar muito feliz, porque de forma alguma tenho a pretensão de dizer que minha visão é a correta e pronto, estou muito aberta a mudar de opinião, mas pra isso é preciso um debate que seja coerente e baseado em fatos.
submitted by Balinoiss to brasil [link] [comments]


2019.05.15 05:41 raidenkilla calça jeans

eu odeio consumismo. dinheiro é abismo. cara, sem moralismo.
para, eu quero roupa cara eu seria hipócrita querendo isso?
baby seu beijo é grátis, mas ce me nega quando concede, me sinto vivo!
o lado mais fraco tarda mas cede. baby eu leio livros, quero ser livre!
foda se calça jeans! fruto do globalismo. eu ja não sei se sou o produto ou o lucro. anel é adereço, amor é compromisso
cara, a nova ordem mundial vai me levar ao alcoolismo.. marketing me vende o buraco e meu ego me prende no abismo
submitted by raidenkilla to rapidinhapoetica [link] [comments]


2018.03.21 10:15 QuintoImperio Um dia estava eu no ginásio a pedalar numa daquelas bicicletas...

Um dia estava eu no ginásio a pedalar numa daquelas bicicletas que não saem do mesmo sitío por mais que pedalemos quando de repente se gerou um burburinho por entre os presentes. Era o Marco Paulo, o cantor, que tinha acabado de entrar. Incrível. Os meus olhos nem queriam acreditar no que viam. E lá vinha ele todo confiante a sair dos balneários, com uma fita branca na cabeça, uma camisola de alças rosa fucsia curta que deixava o umbigo à mostra e uns calções de licra bem justinhos amarelo fluorescente, realçando um corpo musculado invejável que até então só tinha visto nos filmes de acção norte-americanos. Na mão trazia uma garrafa de água mineral do Dia %, de Caldas de Penacova.
À medida que ele passava pelas pessoas, ia deixando elas em êxtase puro. "Grandes bíceps, oh Marco" - dizia um em alto e bom som, enquanto o Marco Paulo acenava para ele com a cabeça. "Grandes trícpes, oh Marco" - dizia outro de igual forma, fazendo este um gesto com o polegar para cima e, no preciso momento em que ele passava por mim, também eu, com o desejo de me sentir incluído no grupo do ginásio e de deixar uma palavra de apreço ao Marco Paulo disse "Grande cu, oh senhor Marco". Com a breca! Os nervos traíram-me como sempre. Não era isto que eu queria dizer. Todos os presentes calaram-se e ficou um silêncio daqueles chatos, enquanto olhavam para mim em tom de desaprovação.
O Marco Paulo aproximou-se de mim e eu mais nervoso fiquei ainda. Pedi imediatamente mil e uma desculpas e ele sempre a fitar-me nos olhos sem nunca sequer pestanejar, encostou o seu dedo indicador aos meus lábios e sussurou um "pssshhh", pegando depois na minha mão com a dele e encostando-a ao seu rabo, fazendo eu agarrá-lo com força. "Sente isto aqui! Sentes? Estás a sentir? Já alguma vez sentiste uns glúteos como estes? - perguntou-me ele. "Nunca, nunca senhor Marco. Nunca senti nada assim" - respondi eu a medo mas sendo sincero. "Então anda daí fofo, hoje vou ser o teu PT para ficares com uns glúteos como os meus e assim depois podes sentir os teus sempre que te apetecer a qualquer hora do dia ou da noite, quer estejas em casa quer estejas na rua". De repente voltou-se a fazer barulho no ginásio. Ufa! Eu nem queria acreditar no que me estava a acontecer. Que sorte tenho eu na vida de ter o senhor Marco Paulo como Personal Trainer e ficar com uns glúteos tonificados como os dele.
"Para ficares como eu tens de ter muita Perseverança, Intensidade, Luta, Ambição e mais umas quantas coisas que de momento não me estou a lembrar, mas mais tarde, se me lembrar, eu digo-te. Só assim podes ter um bumbum perfeito como o meu" - segredou-me ele ao ouvido enquanto punha o braço à volta do meu ombro.
Pegou num daqueles tapetes e comecei então o exercício, pedindo-me para eu fazer agachamentos livres enquanto ele me observava por trás. "Oh sim, oh sim, mais, mais" - dizia-me ele ofegante com palavras de motivação e entusiasmado e eu mais entusiasmado ficava pois era sinal que os treinos do senhor Marco Paulo estavam já a fazer efeito. Fiz estes durante uns bons minutos sendo que depois o Marco mudou o exercício. Neste agora eu estava de gatas e parecia que estava a dar coices mas algo estava a fazer mal porque o senhor Marco Paulo teve de me mostrar como se fazia bem juntinho a mim. "Não te preocupes querido, é só a minha barra de granola que estás a sentir" - disse-me ele baixinho mas acabei por não perceber ao certo porque de repente ele cantou em bom som "OH JOANA! PENSAR QUE ESTIVEMOS TÃO PERTO, DOS SONHOS AGORA DESPERTO, SÓ NÃO QUERO OUVIR O SIM QUE DIRÁS, ÁS, ÁS".
O treino estava a ir muito bem e de tal forma que eu estava a ter resultados muito rápidos porque o Marco disse-me que eu era um rapaz que levantava qualquer ferro, até o mais enferrujado. Eu não estava assim tão confiante mas quem sou eu para duvidar do senhor Marco Paulo? E seguimos então para a área dos pesos, barras e hálteres. Pegou num pesadote e disse-me para eu o levantar e empinar o rabo ao mesmo tempo para o exercício ser bem feito. "No pain, no gain, oh yeah my baby" - exclamou ele. De repente olho para o lado e quem havia de estar nesta mesma área? O Boy George! Estava com umas trancinhas coloridas e vestido de boneca a cantarolar o Karma Chameleon enquanto levantava à vontadinha uns bons 100Kg num banco. Soube mais tarde que vinha dar um concerto privado a um ricaço da zona de Cascais e tinha parado aqui pelo caminho em Massamá no ginásio para manter a forma.
"Mau Maria que o gato já mia, só faltava esta" - disse o Marco Paulo meio irritado. "O que foi senhor Marco?" - perguntei eu de imediato. "Não posso com gente invejosa e esta é uma invejosa de primeira. Queria ter um corpinho gostosão como o meu". Estava o Marco Paulo a dizer isto quando é interrompido pelo Boy George. "Olha, olha quem está por aqui, bons olhos a vejam, darling" - disse num tom irónico, continuando "já tomaste a dose diária de anabolizantes no rabiosque, foi?". O Marco Paulo foi-se aos arames e com razão. De facto é revoltante uma pessoa dedicar-se com tanto afinco ao treino e ser denegrido de forma tão vil somente por pura inveja e escárnio.
"Com essa idade de certeza que já nem sequer consegues levantar o ferro" - continuou o Boy George com risinhos. "Ai é meu cabrão, dá um número que eu levanto aqui na boa" - retorquiu agressivamente o Marco já exaltado. "Aliás, nem é preciso, se estavas a levantar 100 eu levanto 200. 100 são para bonecas como tu! Ou queres fazer o braço-de-ferro?" - continuou ele. Aí no ginásio toda a gente parou em completo silêncio e susteve a respiração. "Não, vamos antes para os 200Kg senão ainda estrago as unhas" - disse a estrela britânica sendo que o Marco Paulo concordou respeituosamente com a cabeça.
Estava lançada a competição. Dois monstros da música mundial agora em competição para ver quem tinha mais força. O Boy George foi o primeiro a tentar levantar os 200Kg mas sem sucesso. Apenas se ouviu um "nanananananananana" de esforço enquanto tentava levantar sem sucesso tal peso. Era a vez do Marco. "Menina" - disse ele com um ar gozão enquanto passava pelo Boy George. O Marco Paulo foi com confiança e depois de uns "nananananananananana" também de muito esforço conseguiu, qual Hércules qual carapuça, levantar tal peso. Os presentes no ginásio aplaudiram em massa e gritaram Vivas ao Marco. Ninguém queria acreditar. Eu próprio tinha as minhas dúvidas mas pedi logo desculpa ao senhor Marco Paulo por as ter. No entanto, quando ele segurava no ar os 200Kg, os calções de licra dele cederam e rasgaram em baixo, fazendo um buraco sendo que o escroto dele caiu por ali e ficou todo à mostra. Nunca vi tão gigantesco escroto na minha vida. Fiquei perplexo. P-E-R-P-L-E-X-O. "Isto são os meus esteróides, bitch!" - disse ele para o Boy George, este com o olhito a lacrimejar, envergonhado por ter sido vergado pelo cantor português.
No meio da multidão que via esta competição irrompe a Jennifer Lawrence, também no ginásio mas a fazer Zumba. Logo o Marco larga aquele peso todo para o chão e sai com a bela loira de braço dado pelo meio das pessoas, todo preparado para ir fazer o amor a noite toda com a actriz norte-americana. "Docinho, não te esqueças" - disse ele para mim "para uns glúteos de sonho, exercício físico e boa alimentação com muitos vegetais", continuando "estás a ver esta? Tomou o gosto à maçaroca e agora não quer outra senão aqui a do Marquito. Mas faz-me um favor, consola o Boy George, apesar da inveja ele é das melhores pessoas que conheci até hoje e olha que conheci muitas". E eu consolei-o.
submitted by QuintoImperio to PastaPortuguesa [link] [comments]


2017.06.24 19:07 SUPERBURRO1472 I discovered the truth about five nights at Freddy's (portuguese br) A VERDADE SOBRE FNAF

definitivamente descoberta por um garoto de 12 anos heheheh sou pika d+ masss vou tando ao assunto essa teoria vai mexer a mente de vcs vai fazer ficar doidinho da silva então vamos parar de bestera e começar a teoria deliciosa: começamos em ''1900 e bolinha'' com a fredy fazbear pizza hehehe com os animatronics deliciosos como springbonnie(agora não é muito importante mas DEPOIS MDSSS)e o springfreddy eu acho '-' la fazendo o seu showzinho e tals o purple guy tacando as fantasias nos caras e seu eu dizerrr pra vcs que o o muleque choroso do fnaf 4 seja filho do purple guy EEEeee depois do muleque morrer o purple guy conhecido tbm como:willian afton eu acho que é assim que se escreve matou as 5 crianças e tals ai o pupett que talvez seja a primeira criança morta tacou os muleque nas fantasia e XABLOWW o restaurante do fnaf 1 fecho '-' por como vcs sabem odores e talvez sangue nos animatronics e continuando, e não irei falar de fnaf 2 ainda !!1 okey agora iremos para fnaf 3 que se passa 30 anos dps do fnaf 4 ESTRANHO EU ACHO QUE SIM o corpo do spring trap obviamente é de willian afton que se desgastou dentro da roupa de molas altamente perigosas e tals ai nós passamos a noite 5 e acabou pronto e por acaso essa pizzaria do 3 que é uma atração de terror tenha pegado FUEGOOOO mas continuando ai nós chegamos ao fnaf 2 que se passa vamos dizer no mesmo ano do 3 onde tem os animatronics de 30 anos atras (POR ISSO ELES ESTÃO TODOS FERRADOS)ai acaba tudo e temos o misterio do fone guy então antes dele morrer ele gravou varias fitas (que nem 13 reasons why heheheheh) mass essas fitas foram gravadas a muito muito tempo e sabe o willian afton ele tinha 3 filhos 2 muleques e uma menina por isso no fnaf 4 tem aquele quarto mas muito tempo atras o willian criou bonecos bonitos e semelhantes a de circo(funtime animatronics dãããhrrr) e um dos animatronics foi feito com gravações da voz da filha de afton que não teve seu nome revelado ainda mas talvez quem sabe nesse novo livro né então continuando ela foi morta simplesmente ó fraliceu por que por quem pela baby (lembra que os audios do fnaf sister location falavam que o pai da garota não deixava ela chegar perto da baby entãoooo(aaahh esqueci de falar tinha um monte de muleque perto da baby e quando a menina chegou la geral tinha sumido ai ó frum bom nós vimos isso no cutscene secreta da baby) ta e quem sera o guarda de sister location então eu tenho a resposta pra isso e tenho outra coisa pra contar EXISTEM 2 PURPLE GUYS HEHEHEH o willian afton e o outro filho dele michael afton eu acho QUE ELE É QUEM O MULEQUE COM A CABEÇA DE FOXY NOS MINIGAMES DO MULEQUE CHOROSO DO FNAF 4 que dps de ja virar adulto é contratado para monitorar os antigos brinquedos de seu pai que na minha mente eles podem ser expostos no circo é os funtimes se vc estiver se perguntando então o michael afton ta la na brasa e nois passa tudo e bum a garganta de michael é cortada fora ''tchanammm!!!'' ai nas cutscenes loucas la o ennard rouba o corpo do michael e fica tentando dar uns role por ai até que ele decide sair do corpo do michael e como vimos do nada o ennard se taca pro esgoto :P e o michael não morre ele continua vivo e ai vem a cutscene final da minha teoria o michael ainda vivo decide encontrar os restos de seu pai e uma coisa que comprova a minha teoria de ele estar vivo de fato é uma fala do propio michael -eu não sei oq aconteceu eu era pra estar morto. e ele agora esta em busca de seu pai que NÃO MORREU EEEEEEEHHHHHH como vimos o spring trap se levanta com toda a sua auto estima la da um passo e xaclabaum!!!!! acaba a cutscene e se eu acho q vai ter fnaf 5 NÃO NÃO VAI TER MASSS SISTER LOCATION 2 hehehehhe ai com certeza vai ter voces:- ai meu deus ele nem explicou a historia do golden freddy É PQ O GOLDEN FREDDY O SHADOW FREDDY E O SHADOW BONNIE É TUDO O WILLIAN GENTE MAS NÃO SEI O PQ ELE FICOU NO SPRING TRAP acho que tinha um cheirinho gostoso ali dentro ( ͡° ͜ʖ ͡°) ( ͡° ͜ʖ ͡°) ( ͡° ͜ʖ ͡°) ( ͡° ͜ʖ ͡°) ( ͡° ͜ʖ ͡°) brincadeiras a parte bom gente eu quero explicar mais uma coisa antes de terminar essa ''teoria'' eu acho que sister location 2 vai ter o willian como spring trap todos os funtime possivelmente os originais mass os twisted ou os twisted aparecam só nos livros mesmo e quero explicar uma coisa #scottgenio VALEU FALOU GENTEE
submitted by SUPERBURRO1472 to FNAFNews [link] [comments]


Os Barões da Pisadinha - Sou Eu (Áudio Oficial) - YouTube BFF Girls - Eu Sou - YouTube Eu sou o seu Sugar Baby (014)  Saco Cheio Podcast com Arthur Petry EU SOU UMA BABÁ TERRÍVEL - YouTube EU SOU SEU - FÁBIO JR - YouTube Baby Sinclair - Eu sou o baby, você tem que me amar! 1080p ... Eu sou seu Baby (2/?) - YouTube Baby, Eu Sou Seu - YouTube

Este sou eu Amazon.com.br

  1. Os Barões da Pisadinha - Sou Eu (Áudio Oficial) - YouTube
  2. BFF Girls - Eu Sou - YouTube
  3. Eu sou o seu Sugar Baby (014) Saco Cheio Podcast com Arthur Petry
  4. EU SOU UMA BABÁ TERRÍVEL - YouTube
  5. EU SOU SEU - FÁBIO JR - YouTube
  6. Baby Sinclair - Eu sou o baby, você tem que me amar! 1080p ...
  7. Eu sou seu Baby (2/?) - YouTube
  8. Baby, Eu Sou Seu - YouTube
  9. Lari Baby - Sou a Lari Baby (Desenho Infantil) - YouTube

Sou a Lari Baby LETRA DA MÚSICA _____ Sou uma menininha Já sei brincar sozinha Sou a bonequinha Do Papai e da Mamãe Sou uma gracinha D... Eu Sou Seu Fábio Jr. Composição: Peninha / Kuller CD O Amor é Mais Eu não queria me envolver Eu tinha medo de sofrer Eu não queria mais correr perigo Por não... Vídeo oficial de 'Eu Sou' das BFF Girls. Ouça nas plataformas digitais: https://SMB.lnk.to/EuSouBFFGirls 'Eu Sou' (Bia Torres / Giulia Nassa / Laura Castro) ... Enjoy the videos and music you love, upload original content, and share it all with friends, family, and the world on YouTube. Music video by Os Barões da Pisadinha performing Sou Eu (Pseudo Video). (C) 2019 Sony Music Entertainment Brasil ltda. sob licença exclusiva de Os Barões da ... Enjoy the videos and music you love, upload original content, and share it all with friends, family, and the world on YouTube. Download do LOL pra participar da promoção: https://riot.com/2ukN2Ts SE INSCREVA: http://bit.ly/UrsosAqui Twitter: http://twitter.com/t3ddyyyyy Facebook: htt... Clipe musical do Baby Eu sou o seu Sugar Baby (014) Saco Cheio Podcast com Arthur Petry